As verrugas genitais são sexualmente adquiridas

Nas mulheres,

 

As verrugas genitais, também chamadas de condiloma acuminado, são extremamente freqüentes, sendo causadas pelos papilomavírus dos tipos 6 e 11. Os vírus são transmitidos pelo contato sexual, sendo incomum a auto inoculação das mãos para a genitália. Os recém-nascidos podem adquirir a infecção das mães durante o trabalho do parto, com papilomas na laringe. As verrugas sexualmente adquiridas são extremamente contagiosas, sendo a sua infectividade de 60%. Aparecem após um longo período de incubação, que varia de duas semanas a oito meses (três meses em media). As lesões aparecem subitamente e são geralmente assintomáticas e indolores. Nas mulheres, passam desapercebias em virtude da localização intragenital (vagina e colo uterino), mas também surgem no intróito vaginal e vulva. Nos homens, podem ser encontradas na glande, corpo do pênis, prepúcio, freio, meato urinário, escroto, ânus e reto. As verrugas se desenvolvem em regiões quentes e úmidas, podendo ser solitárias ou múltiplas, sendo o diagnóstico eminentemente clínico. Realmente, o reconhecimento é relativamente fácil, todavia exige a diferenciação com o condiloma da sífilis secundária, molusco contagioso, cistos sebáceos e tumores benignos ou malignos. Todas as mulheres com verrugas genitais, mesmo sem quaisquer outros sintomas, devem ser investigadas para candidíase (sapinho), tricomoníase, gonorréia, clamídia e vaginose bacteriana, pois as verrugas podem preceder outras infecções ou doenças sexualmente transmissíveis. Os homens, homo ou heterossexuais, também devem colher amostras da secreção uretral com o objetivo de excluir infecções concomitantes por gonococos , clamídias e uretrite não gonocócica, mesmo que não apresentem sintomas. Da mesma forma, os homo e bissexuais precisam fazer proctocospia para afastar a presença adicional de verrugas dentro do reto assim como gonorréia e herpes simples.

 

Ainda é fundamental o exame de sangue para sífilis, o rastreamento de contatos e o exame periódico de parceiros sexuais regulares. As complicações das verrugas genitais são raras, podendo aumentar de forma alarmante durante a gravidez, atingindo a forma de uma couve-flor. No sexo masculino, verrugas gigantes benignas, porém destrutivas podem ocorrer no pênis ou verrugas pequenas coalescer e aumentar rapidamente. Também foi identificada a transformação maligna dessas verrugas. O molusco contagioso é causado por um poxvírus, surgindo como pápulas umbilicadas de colaração branco-pérola na região genital, podendo ser transmitido por via sexual e não sexual (piscinas, saunas, escolas) através de contatos, toalhas ou roupas. O tratamento da verruga genital é feito com a aplicação tópica de medicamentos, devendo ser aplicada duas ou três vezes por semana, protegendo a área em torno da lesão. Dependendo da concentração poderá apresentar menos efeitos colaterais, permitindo o uso no domicílio. Finalmente, existe o eletrocautério ou crioterapia nas verrugas extensas ou numerosas. As verrugas podem regredir e reaparecer espontaneamente, tornando difícil a avaliação de outros produtos, como vacinas. Durante a gravidez, é melhor não tratar, tendo em vista a toxicidade do medicamento, assim como pela possível ação mutagênica do produto. Durante o parto, está indicada a cesariana se as verrugas oferecerem dificuldades. Infelizmente não se sabe ainda se o contágio pode ser prevenido por meio do tratamento da genitora durante a gravidez. A mulher sexualrnente ativa deve ser submetida todos os anos ao exame ginecológico preventivo, a fim de afastar enfermidades que não aparecem ou não apresentem sintomas. Fonte: Dr. Mário Cândido de Oliveira Gomes Clínico Geral e livre-docente em doenças infecciosas e parasitárias

Deixe uma resposta