Barriga não combina com qualidade de vida

Exercícios abdominais apenas não servem para

 

A “barriga” se forma basicamente por um motivo: a falta de atividade física, reflexo do estilo de vida atual, no qual a pessoa fica a maior parte do tempo em repouso — é o chamado sedentarismo. Outro ingrediente da “barriga” é a ingestão de alimentos com grande quantidade de calorias. Como o corpo não “queima” esta energia, ela se transforma em depósitos corporais, sob a forma de… gordura. O depósito de gordura na região abdominal é chamado de andróide, diferente da localizada nos quadris, coxas e glúteos —denominada ginecóide. Mas há também a gordura visceral, depósitos adiposos que se formam nas paredes de órgãos internos como o intestino, o fígado e o pâncreas e que podem provocar problemas cardiovasculares (hipertensão, enfarte) e deflagrar o diabetes. Flacidez- Outra causa da barriga que literalmente “salta aos olhos” é o abdome fraco e flácido. Se a parede abdominal estiver fraca, não dará boa sustentação aos órgãos internos, que se projetarão para frente. Coluna- A situação pode chegar a um nível de descontrole que, devido ao tamanho da barriga, a pessoa pode ter problemas posturais. É quando a barriga se projeta para a frente, provocando uma hiperlordose. Essa postura é mais comum entre as mulheres, que assumem esta postura errada para arrebitar o bumbum ou até ao uso de salto alto, que naturalmente acentua esta postura. Assim, a região lombar fica hipertrofiada e a abdominal fraca. O QUE FAZER? Os especialistas são unânimes em explicar que não há receitas milagrosas para acabar com a “barriguinha” e indicam duas estratégias fundamentais: reeducação alimentar e prática cotidiana de exercícios físicos aeróbios. Mas as duas em conjunto, pois são ações complementares. NA ALIMENTAÇÃO, EVITE: • consumo de bebidas alcoólicas, devido à quantidade de calorias que possuem. • doces e frituras em excesso • fazer refeições muito calóricas, principalmente à noite • Alimentos causadores de gases como refrigerantes, feijão, frituras, pão, queijo, enlatados, carne vermelha e embutidos (ingüiça, presunto, salame, salsicha etc). • Alimentos que retêm líquidos, como embutidos, sal em excesso e alimentos processados. • Transformar em hábito a ingestão de alimentos e líquidos em porções exageradas, pois resulta no aumento do estômago. Em conseqüência, para ter a sensação de estar saciado, a pessoa precisará ingerir uma quantidade maior de comida —boa parte desta energia não será gasta e se transformará em gordura. COMA MENOS! • Procure fazer mais refeições (cinco a seis por dia), com menores porções e poucas calorias. O maior fracionamento da dieta também contribui para um melhor funcionamento intestinal, uma vez que com ele o estímulo da função intestinal será constante. COMA MELHOR! • As fibras insolúveis associadas a uma ingestão adequada de líquidos permitem que o intestino funcione de forma regular, evitando que a barriga fique dilatada e dolorida. (Exemplos: farelo de trigo não processado ou farelo de arroz, cereais integrais, pão Integral; legumes/ervilha, vagem e nozes; raízes incluindo batata e cenoura; verduras como o espinafre; maçã, laranja e outras frutas. No entanto, as fibras são decompostas pelas bactérias do intestino e o organismo leva um tempo para se acostumar com isso. Assim, introduza-as devagar nas refeições). • Os alimentos diuréticos também contribuem para diminuir a retenção hídrica, reduzindo o inchaço (Exemplos: chás, suco de limão, melancia, morango, abóbora, agrião, beterraba, cenoura, escarola, folhas de beterraba, repolho, salsinha, tomate, broto de feijão, pepino) ATIVIDADE FÍSICA • Incorpore ao seu dia-a-dia a prática de uma atividade física aeróbia (caminhada, corrida, natação, bicicleta etc…), pelo menos três vezes por semana, durante pelo menos trinta minutos. • Exercícios abdominais apenas não servem para perder barriga. Eles fortalecem a musculatura abdominal, mas deixam intacta a camada de gordura à sua frente. • Não esqueça que, antes de qualquer prática esportiva, é necessário um exame médico e o acompanhamento de um profissional de Educação Física. Fonte: jornaldaorla

Deixe uma resposta