Causas da halitose( máu hálito)

Existem mais de 50 causas para a Halitose. Aproximadamente 90% dos casos têm origem

 

 

Existem mais de 50 causas para a Halitose. Aproximadamente 90% dos casos têm origem bucal, sendo que se for detectado algum problema de ordem médica (ligado ou não ao mau hálito e suas causas), encaminharemos o paciente ao especialista correspondente. Uma das causas mais comuns é a diminuição da quantidade de saliva, ocasionada por inúmeros fatores (remédios que a pessoa possa estar tomando que diminuam a salivação, stress, certas doenças, etc.). Essa diminuição da quantidade de saliva favorece a formação de uma placa bacteriana (camada esbranquiçada) na parte posterior da língua, chamada de saburra lingual. Ela é formada por restos alimentares, células que se descamam da mucosa bucal e bactérias, que se alimentam das proteínas presentes nessas células. Nesse processo ocorre a liberação de enxofre, em forma de compostos sulfurados voláteis – CSV – que causam um hálito muito forte. Hoje, através de um aparelho de alta tecnologia chamado halímetro que mede, em partículas por bilhão, a quantidade desses compostos presentes na boca, pode-se avaliar a gravidade do problema e acompanhar a evolução do tratamento. Ele é um importante método auxiliar para confirmar o que foi analisado e diagnosticado em consulta não podendo, porém substituir a aferição do hálito pelo olfato humano (chamado de teste organoléptico).

 

De acordo com a Quinta Conferência Internacional de Odores da Respiração realizada em Julho de 2001 no Japão, o teste organoléptico continua sendo o “padrão dourado” para testar e aferir a halitose nos pacientes e nas pesquisas feitas nessa área. É muito importante evidenciar que as patologias das vias aéreas superiores (sinusites, amigdalites, rinites, adenóides) podem gerar mau hálito principalmente por tornar o paciente um respirador bucal, o que irá gerar um ressecamento na mucosa oral e conseqüentemente aumentar a quantidade de descamação de tecidos (células) o que irá estimular a formação de saburra lingual. Outra causa comum são os longos intervalos em jejum que provocam a hipoglicemia (quem já fez regime para emagrecer sabe disso). É normal ter halitose ao acordar. Isso se dá pelo jejum da noite associado à redução do fluxo salivar que acontece normalmente durante o sono. Após ingerir o café da manhã e escovar os dentes, esse hálito deve desaparecer. Se não desaparecer, existe algum problema que deve ser investigado e tratado. Bebidas alcoólicas e diversos alimentos (principalmente os com excesso de gordura animal e proteína, além do alho, cebola, frituras, alimentos que contenham enxofre, etc.) podem causar uma alteração no aroma bucal, especialmente em pessoas que já tiveram ou têm algum problema no fígado, pela dificuldade deste em metabolizar certas substâncias presentes nesses alimentos. É importante dizer que o estômago não provoca o mau hálito, a não ser em raríssimos casos. Um exemplo disso, ainda que muito raro, é quando a pessoa é portadora de um refluxo gastro – esofágico, e devido ao refluxo constante de comida em sua boca, é facilitada a formação da língua saburrosa e esta sim irá gerar o mau hálito. O intestino preso ou a diarréia podem, às vezes, causar o mau hálito. Diabetes, disfunção renal grave, carência de vitamina C e outras doenças ou disfunções também podem causar alteração no odor bucal, bem como as alterações nos dentes e principalmente na gengiva e no periodonto. Fonte: clinica halitus www.nutribel.com.br/produto.php?cod_produto=314200

Deixe uma resposta