Consequências da bulimia…

A pessoa bulímica chega a ingerir numa hora, em calorias, o que deveria

 

As consequências da bulimia são variadas e graves e podem causar lesões irreversíveis ou de difícil tratamento. Alguns exemplos: depressão, fadiga, arritmia cardíaca, irregularidade menstrual, ossos e dentes frágeis, vasos sanguíneos dilatados na pele do rosto e problemas de estômago e esôfago). A pessoa bulímica chega a ingerir numa hora, em calorias, o que deveria consumir durante um dia inteiro. Ao sentir-se culpada pelo excessivo consumo de alimentos e para perder peso (ou para não ganhá-lo), a doente provoca o vômito, usa laxantes e pratica exercício físico em excesso. O continuar deste tipo de ações permite a manutenção do peso em níveis normais ou um pouco acima e, ainda, apresentar uma imagem aparentemente saudável.

 

Esta imagem “saudável” ilude a pessoa em relação ao seu problema e dificulta, aos outros, a percepção do mesmo. Por esta razão, a bulimia é uma doença que tende a prolongar-se no tempo. Os jovens, particularmente do sexo feminino, a partir da entrada na adolescência são o principal grupo de risco em relação a esta doença. A doente bulímica apresenta comportamentos típicos, tais como: . comer às escondidas; . ingerir compulsivamente alimentos excessivamente calóricos; . fazer grandes jejuns; . usar laxantes e diuréticos; . induzir o vômito; . praticar obsessivamente exercício físico. As consequências da bulimia são variadas e graves e podem causar lesões irreversíveis ou de difícil tratamento, como depressão, fadiga, arritmia cardíaca, irregularidade menstrual, ossos e dentes frágeis, vasos sanguíneos dilatados na pele do rosto e problemas de estômago e esôfago (causados pelos vômitos). As consequências físicas da bulimia são várias tais como: . Mal funcionamento renal e cardíaco (provocado pelo vômito e uso de laxantes); . Dificuldade na concentração, mudanças de humor (devido a um desiquilíbrio químico); . Glândulas inchadas, derrames sanguíneos por baixo dos olhos; . Decadência dentária e problemas graves nas gengivas; . Dores de garganta, dores no peito, cãimbras musculares e fadiga; . Arranhões na parte de cima das mãos ou nos nós dos dedos; Fonte: habitosalimentares

Deixe uma resposta