Crianças também fazem yoga

É a Yoga Baby, um desdobramento da yoga para gestantes que pode ser praticada três meses após o parto

Uma nova modalidade de yoga surgiu para auxiliar em um momento delicado e especial da vida da mulher: a maternidade. É a Yoga Baby, um desdobramento da yoga para gestantes que pode ser praticada três meses após o parto, junto com o bebê, integrando e harmonizando mãe e filho. “Esta modalidade nasceu da necessidade de a mãe recente estar retomando sua forma anterior sem deixar seu filho em casa, pois nem sempre a mulher dispõe de quem o cuide para que ela possa sair”, explica a professora de yoga, Denise Amazonas.

Na yoga para gestantes, a futura mamãe é preparada desde os primeiros meses de gravidez com exercícios que trabalham o fortalecimento da musculatura pélvica e combate a ansiedade. O objetivo é garantir uma gestação saudável e um parto tranquilo.

Na Yoga Baby as posturas são as mesmas, com a diferença que agora é possível flexionar o corpo para reduzir o abdômen e ousar mais nas posições. “Algumas posturas são feitas com a participação direta do bebê no movimento. Esta possibilidade ajuda ainda mais a integração do bebê e sua mãe”, diz a professora, que é também massoterapeuta e especialista em Shantalla, uma massagem para bebês. Benefícios para mãe e filho Segundo Denise, além dessa integração, a Yoga Baby traz outros benefícios: “a criança fica mais flexível, auxilia na eliminação de gases, contribui para um sono mais relaxado.

Na mãe ajuda na desintoxicação do corpo, na queima de gordura, dá maior flexibilidade à coluna, proporciona relaxamento e bem-estar”. A professora, que primeiro experimentou os benefícios da Yoga Baby com seus próprios filhos, seleciona de 7 a 8 posturas por aula. Ela recomenda uma hora de aula, pelo menos duas vezes por semana. “Nesses momentos, o relaxamento se torna tão agradável que mãe e bebê, às vezes, adormecem abraçados no fim da aula”.

Quando começar A partir do terceiro mês, quando a criança já apresenta a coluna mais firme e a mãe consegue segurá-la com mais confiança, informa Denise Amazonas. “Pelo fato de as posturas serem feitas de maneira muito natural, como uma brincadeira, a criança a partir do terceiro mês de idade reage de forma muito positiva aos estímulos da mãe.

Os movimentos são suaves, não acarretando risco a nenhum dos dois. A música é própria para ajudar o relaxamento e descontração. Até o terceiro mês de vida, a mãe não deve forçar o bebê a nenhum tipo de movimento e, sim, fazer as massagens que ajudam a criança a expelir os gases intestinais e a mantê-la mais calma”. A professora lembra que, antes de iniciar a prática dos exercícios a mãe deve conversar com o pediatra do filho e também com seu obstetra para avaliar suas condições. Fonte: jornaldaorla

Deixe uma resposta