Dieta para a mãe que amamenta

O que deverá comer A mãe que amamenta deve continuar a consumir os alimentos recomendados

 

Uma nutrição rica e equilibrada são o melhor investimento que a mãe que amamenta pode dar ao bebê. Os nutrientes absorvidos nos primeiros meses de vida do bebê ajudam a garantir-lhe um desenvolvimento saudável, proporcionando-lhe, ao mesmo tempo, um padrão de bem-estar futuro. O que deverá comer A mãe que amamenta deve continuar a consumir os alimentos recomendados durante a gravidez com vista a promover a lactação – formação do leite nas glândulas mamárias e respectiva condução para o exterior – e manter uma quantidade adequada de leite. Uma dieta deficiente, neste período, embora não perturbe o valor nutricional do leite, pode reduzir a quantidade produzida e afetar a saúde da mãe. Isto porque, quando a dieta não os fornece, o organismo recorre às suas próprias reservas de nutrientes para conseguir uma melhor composição do leite. Assim sendo, a dieta da mãe que amamenta deve incluir doses suficientes de fruta e vegetais frescos, peixes gordos, carne magra, legumes, frutas secas e cereais integrais. Mas as regras de alimentação não ficam por aqui. A mãe que amamenta deve ainda: – Consumir 500 calorias extra por dia, ou seja, cerca de 2300 a 2700 calorias por dia, a pensar em si mesma e no bebê. – Beber muitos líquidos (de preferência água, leite e sumos de fruta diluídos) para garantir a produção de leite. – Deverá beber, pelo menos, oito a doze copos de água por dia. Quanto mais beber, mais facilmente o organismo conseguirá produzir o leite necessário para alimentar o bebê. O que deverá evitar Também aqui não há mistérios. As substâncias que devia evitar durante a gravidez continuam a ser totalmente desaconselháveis durante a fase da amamentação: Álcool. Cafeína. Tabaco e outras drogas. O álcool passa para o leite materno, podendo causar sonolência ao bebê e dificuldade na sucção do mamilo. A cafeína também pode afetar o leite materno, tornar o bebê irritadiço e perturbar-lhe o sono. O seu efeito diurético pode ainda aumentar a eliminação de líquidos pelo organismo da mãe, numa altura em que ela precisa de mais líquidos para a produção de leite. A maioria das drogas, incluindo a nicotina, no caso das mães fumadoras, atingem o bebê através do leite materno, pelo que a mãe que amamenta não deve fumar nem consumir drogas (medicamentos desnecessários inclusive). Outro cuidado a ter durante esta fase prende-se com a perda de peso. Com efeito, não há mal nenhum em querer recuperar a forma física anterior à gravidez, desde que a dieta não seja demasiado agressiva, isto é carenciada. A perda rápida de peso da mãe pode constituir um perigo para o bebê, porque conduz à libertação de determinadas toxinas existentes na gordura do organismo para o leite materno. A melhor técnica é, pois, combinar uma dieta saudável, mas pobre em calorias, com o exercício físico. De resto, a própria amamentação pode ser entendida, em sentido lato, como uma forma de exercício, na medida em que a mãe que amamenta queima mais 800 calorias do que aquela que não amamenta. Regra geral, a mulher demora entre dez meses a um ano a voltar ao peso que tinha antes de engravidar. Por outro lado, só deve começar a tentar emagrecer, pelo menos, seis semanas depois do nascimento do bebê, sob pena de baixar a produção de leite. Fonte: www.meubebezinho.com.br

Deixe uma resposta