Distúrbios da tireóide

Diante disso, o importante é passar periodicamente pela avaliação do médico

 

Doenças simples de diagnosticar e tratar, podem atingir qualquer pessoa, Os distúrbios da Tireóide – Câncer, Hipotireoidismo e Hipertireoidismo – são pouco valorizados por pacientes e médicos e, muitas vezes, seus sintomas são confundidos com os de outras doenças. “Porém, quando não tratados, podem gerar problemas ainda mais graves e levar à morte”, alerta o dr. Abrão José Cury Jr., presidente da Regional São Paulo da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. Os sintomas do Hipertireoidismo podem ser alterações emocionais, como agitação, insônia, falta de apetite e emagrecimento. No idoso, pode provocar importante descompensação cardíaca, chegando à Insuficiência – último estágio das doenças do coração. O Hipotireoidismo leva ao enfraquecimento físico e mental, gerando lentidão de comportamento, sonolência e quadro depressivo. A redução do metabolismo pode levar ao coma e à morte. A glândula Tireóide fica na região do pescoço, é respons ável pelo equilíbrio do metabolismo humano e seus distúrbios podem surgir na infância. Em geral, não há como prevení-los e podem ser confundidos com outras doenças. Diante disso, o importante é passar periodicamente pela avaliação do médico. O diagnóstico é simples. O médico deve pedir exames laboratoriais, apalpar a Tireóide para detectar alterações e confirmar qualquer suspeita com a ultra-sonografia. Nos exames, é necessário dosar o TSH, estimulante da Tireóide fabricado pela Hipófise, glândula que fica no cérebro, e o hormônio T4, produzido pela própria Tireóide. O tratamento também é simples. No Hipotireoidismo, o paciente toma remédios que compensam a falta de hormônios. No Hipertireoidismo, toma medicamentos que bloqueiam a produção excessiva de hormônios e alguns casos podem ser tratados com cirurgia. No caso de câncer da Tireóide, o diagnóstico precoce permite que o tratamento tenha total sucesso. Fonte: Brasil Medicina

Deixe uma resposta