Doação de sangue passo-a-passo

Doação de sangue passo-a-passo Doar sangue é um ato simples e bastante seguro. Em um posto de doação, qualquer pessoa disposta a ceder seu sangue passa por um processo de triagem. Todo o material recolhido é várias vezes testado e cuidadosamente examinado. Tudo ocorreacontece de forma bastante rápida. O processo pode ser realizado em cerca de 30 minutos, apenas. Ao chegar a um posto, o possível doador precisa passar, em princípio, por um rápido teste de anemia. Depois, sua pressão arterial é medida e, se ela não estiver alta ou baixa demais, a pessoa é encaminhada para uma entrevista com um profissional. Com base nas respostas do voluntário, sobre seus hábitos e seu estado de saúde, o responsável avalia se o procedimento pode trazer risco a quem vai retirar sangue ou aos receptores. Não havendo problemas, a pessoa é encaminhada para a doação. Essa etapa dura entre 10 e 15 minutos. Cada pessoa doa cerca de 450 mililitro de sangue, que são transferidos para uma bolsa de plástico fechada e esterilizada. Depois disso, o doador recebe um lanche e é liberado. O sangue, logo a seguir, é estocado em temperatura entre 1º e 6º Celsius positivos. Uma pequena parte dele, recolhida em um tubo antes ou durante a coleta, passa, então, por uma série de testes para detectar se o doador era portador de alguma doença infecciosa que pudesse contaminar os receptores. É verificada a possibilidade de o doador ter tido, entre outros problemas de saúde, sífilis, hepatite B e C, doença de chagas ou AIDS. Se o sangue estiver em condições de ser aproveitado, será processado para que seus componentes sejam separados. Isso significa dividi-lo em hemácias, plasmas, plaquetas e crioprecipitado. Com os componentes separados ou não, o sangue continua armazenado, em temperatura adequada, dentro de bolsas plásticas bem vedadas, até ser levado para o hospital ou centro médico que irá realizar a transfusão. Recomendações O uso de materiais individuais e descartáveis é obrigatório em todos os estabelecimentos de coleta de sangue. Apesar de essa ser uma prática comum para os profissionais dos bancos de sangue ou laboratórios, é importante ficar atento à utilização desses materiais. No dia em que for feita a doação de sangue é importante tomar muita água, para repor o líquido perdido. Tipos sanguíneos O sangue humano é dividido em grupos e subgrupos. Cada pessoa possui um tipo sanguíneo. Ele pode ser identificado em qualquer banco de sangue ou laboratório, por meio de um exame feito a partir da coleta de apenas uma gota de sangue. Existem oito combinações de grupo sangüíneo (A, B, AB e O) e Rh (positivo e negativo). No Brasil, 87% da população tem sangue do tipo O ou A. Outras 10% têm sangue do grupo B. E somente 3% têm sangue do tipo AB. Mas o mais raro é o O negativo. Esse tipo sangüíneo, que apenas 9% dos brasileiros possuem, é também chamado de universal, pois pode ser doados a qualquer pessoa. Por ser mais difícil de encontrar, é também o mais necessário nos bancos de sangue. Fim dos mitos Sempre é importante lembrar que doar sangue não faz mal para a saúde. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, doar não emagrece e nem deixa o sangue mais ralo ou grosso. Fazendo uma doação não há risco de se contrair nenhuma doença. Todo o material utilizado na coleta é descartável e individual. Fonte: www.poupaclique.com.br

Deixe uma resposta