Endometriose: doença é considerada um mistério

Endometriose: A doença

 

As causas da endometriose ainda não são bem conhecidas. Porém, inúmeras teorias têm sido estudadas. Mas, como a diversidade de sintomas é grande, ainda não há uma teoria que sirva para todos os casos. Uma hipótese é a do retrocesso do fluxo menstrual, ou seja, durante a menstruação, parte do sangue regressa pelas trompas ficando no abdome. Alguns cientistas acreditam que toda mulher tem algum refluxo do ciclo menstrual. Mas esta não é uma idéia muito consistente, uma vez que nem todas as mulheres têm endometriose. Outra teoria sugere que um problema no sistema imunológico ou alguma alteração hormonal permite que o tecido endometrial seja distribuído desde o útero a outras partes do corpo pelo sistema linfático ou sangüíneo. Há ainda a teoria genética, que diz que talvez certas famílias tenham predisposição para a endometriose; e a teoria embrionária, que sugere que os resíduos de tecidos de quando a mulher ainda era um embrião, poderiam transformar-se na doença, ou que alguns tecidos adultos retenham a habilidade, que tinham quando eram embrionários, de alterar-se em tecido reprodutivo sob certas circunstâncias. A endometriose é uma das doenças mais misteriosas que afetam as mulheres.

 

À medida em que tentam descobrir suas causas, os especialistas estão eliminando uma série de suposições. Uma delas era a de que as negras não apresentavam o problema. Porém, a verdade é que, no passado, por serem excluídas do atendimento médico, essas mulheres sofriam caladas. Outro mito era o de que a mulher jovem não adquiria a doença. Isso ocorria porque as adolescentes e jovens sentiam cólica menstrual – que pode ser o primeiro sintoma – sem se queixar e não eram examinadas até o problema ter progredido a uma fase mais grave. Também se acreditava que a endometriose afetava mais as mulheres de nível superior. Na verdade, o que acontece é que essas pacientes são mais informadas sobre a importância de consultar um especialista e obter explicações para os seus sintomas. Além de eliminar os mitos, os médicos estão procurando uma cura definitiva para a doença. A retirada do útero e dos ovários, até pouco tempo comum, não é eficaz, pois é grande a proporção de retorno e continuidade da endometriose nas mulheres que fizeram a cirurgia.

Além de analgésicos para combater a dor, são indicados tratamentos hormonais para interromper a ovulação por um prazo variável de 3 a 6 meses. A interrupção da ovulação faz com que os implantes endometrióticos diminuam ou mesmo desapareçam. Também permite que não haja novos crescimentos de tumores. Os implantes hormonais que suspendem a menstruação também são indicados para tratar da doença, pois além de serem fáceis de usar, também são contraceptivos. Entretanto, para o diagnóstico e tratamento da endometriose é indispensável a vídeolaparoscopia, um exame sofisticado em que uma microcâmera de vídeo é introduzida no abdome por uma incisão mínima na região do umbigo, onde é possível visualizar todo o aparelho reprodutor feminino e assim detectar a presença ou não da doença.

Deixe uma resposta