Esteróides anabolizantes: será que compensa?

Os esteróides anabolizantes são derivados sintéticos da testosterona – hormônio sexual

 

 

Os esteróides anabolizantes são derivados sintéticos da testosterona – hormônio sexual masculino responsável pelo crescimento e desenvolvimento de órgãos sexuais masculinos e pela manutenção dos caracteres sexuais secundários, que incluem crescimento e maturação da próstata, vesícula seminal, pênis e escroto. Além do mais, a testosterona, ajuda no engrossamento das cordas vocais, na alteração da musculatura do corpo, distribuição de gorduras e retenção de nitrogênio, água e eletrólitos pelo corpo. Reduzem em até 85% a secreção de testosterona pelos testículos, que podem atrofiar-se. Diminuem a produção de gonadotrofinas hipofisárias e os testículos passam a ser menos estimulados (feed back negativo). Essas drogas estão associadas a numerosos efeitos colaterais, sendo contra-indicados para estimular condições atléticas. Mesmo assim, devido à sua capacidade de queimar gorduras e, ao mesmo tempo, ativar as células de crescimento humano; muitos atletas e adolescentes apelam para a ajuda dessas substâncias, sem se importar com as conseqüências, que podem ser catastróficas.

 

Os primeiros, devido à pressões dos patrocinadores e do lema: o que importa é vencer! Os segundos, porque desejam ver seu corpo mudar da noite para o dia e se tornarem super-homens cobiçados pelas mulheres e invejados pelos homens. Não importa o motivo… Nas academias, alguns professores de ginástica despreparados “receitam” para seus “pupilos”; colegas e amigos usam. E o melhor: não aconteceu nada a eles ainda. Por que “comigo” irá acontecer? Esse pensamento consegue cada dia mais reunir adeptos do uso dessas drogas. Alguns mais prevenidos também se automedicam com remédios para o fígado, tentando evitar qualquer catástrofe incontrolável. De qualquer forma, uma coisa é certa: seu emprego prolongado provoca esterilidade, impotência, ginecomastia (crescimento exagerado das mamas), lesões no fígado e nos rins, doenças cardíacas, depressão, ansiedade e outros distúrbios psiquiátricos. E o que seria emprego prolongado? Uma semana, dois meses, um ano? E agora pergunto: vale a pena? Fonte: www.afh.bio.br

Deixe uma resposta