Florais de Bach: equilíbrio através das essências

a Dr. Edward Bach Nascido em 24 de setembro de 1886 em Moseley, Inglaterra; cresceu mostrando grande amor pela natureza e um interesse especial em aliviar o sofrimento humano. Reconhecido médico homeopata e patologista em saúde pública, completou sua obra com a descoberta dos “Florais de Bach”, nos anos 30 em Mont Vernon na Inglaterra. Segundo ele, para se recuperar de uma doença, é preciso ter uma mente sã. Os Florais de Bach ajudam a restabelecer um equilíbrio das emoções negativas. Princípio das essências Vibração, esse é o espírito das essências florais! Daí seu princípio ser chamado de Energia Vibracional, agindo nos níveis mais sutis do homem, nos desequilíbrios energéticos causados por problemas emocionais. As essências florais podem nos ajudar a reconhecer, resolver ou liberar várias maneiras condicionadas de perceber o mundo e, a experimentar um bem estar maior e harmonia em nossas vidas. Quando nos harmonizamos internamente, geralmente, observamos mudanças significativas tanto físicas quanto emocionais e espirituais. Essência Floral, o equilíbrio As essências florais não são medicamentos, nem panacéias e não substituem a necessidade de cuidados médicos ou psicológicos. Elas têm sua ação baseada em sua natureza vibracional. Elas trazem padrões de consciência ou de informação que atuam por ressonância vibratória catalizando processos de transformação da consciência, e despertando dons, talentos, virtudes e potenciais latentes, através do campo energético do Ser Humano. Elas atuam principalmente no campo da nossa Consciência, alinhando nosso Espírito, com nossa Alma e nossa Mente, facilitando então, o acesso aos nossos dons, qualidades, virtudes e potenciais necessários ao nosso bem estar, harmonia e evolução. As essências foram separadas em 7 grupos por sua atuação: . Medo . Insegurança . Falta de Interesse no Presente . Solidão . Hipersensibilidade a influências . Desalento e Desespero . Preocupação excessiva com os outros Fonte: belezaestetica

Deixe uma resposta