Gordura trans dificulta gravidez

 

Especialista em medicina reprodutiva revela os alimentos que devem ser banidos da dispensa Alvo de muitas críticas ultimamente, a gordura trans não está apenas associada a doenças do coração, como também pode aumentar o risco de infertilidade feminina.

Essa é a conclusão de um grupo de pesquisadores da Harvard School of Public Health (Boston, Estados Unidos) após constatar que pacientes com dificuldades para engravidar, relacionadas à ovulação, consomem mais gorduras trans do que as mulheres férteis. “Evitar alimentos que contêm gordura hidrogenada em sua composição é uma ótima idéia para todos, por conta dos efeitos nocivos sobre o coração e o metabolismo. Mas, é principalmente indicado a mulheres que estão tentando engravidar, já que podem duplicar os riscos de infertilidade”, diz Silvana Chedid, ginecologista especialista em reprodução humana. Segundo a médica, além da gordura trans, alimentos ricos em colesterol, amido e açúcar também podem comprometer a fertilidade. “A adequação nutricional é fundamental para a fertilidade, já que o organismo entrará em equilíbrio, favorecendo a gravidez.

Por outro lado, via de regra, quando um casal está planejando ter filhos, alguns alimentos devem ser banidos de sua dieta, como café, mate e refrigerantes à base de cola. Produtos que contêm conservantes, como os enlatados, as gelatinas e os sorvetes também são altamente prejudiciais”. Silvana Chedid também alerta para os riscos oferecidos por frutas, legumes e vegetais contaminados com agrotóxicos, bem como as carnes com alta concentração de hormônios femininos. “Tanto os agrotóxicos utilizados para preservar a lavoura das pragas, quanto hormônios como o pseudoestrogênio – empregado nas criações com intenção de aumentar a maciez da carne – comprovadamente diminuem a produção de espermatozóides no homem, dificultando especialmente o sucesso dos tratamentos de fertilização”.

Fonte: Dra. Silvana Chedid, diretora da clínica Chedid Grieco Medicina Reprodutiva e chefe do setor de Reprodução Humana do Hospital Beneficência Portuguesa

Deixe uma resposta