Hora de nascer

Este é um texto introdutório de exemplo para visualização do novo Site Médico. Em breve, totalmente reformulado.

O feto com menos de cinco meses já tem uma audição bem desenvolvida e sua memória é capaz de guardar algumas informações, inclusive sensações emocionais. Mas, o desenvolvimento depende muito do que a mãe faz. Tudo passa para o filho, alimentos, drogas ou emoções. Até o oxigênio é o mesmo! Quando a mãe realiza muito esforço, por exemplo, falta oxigênio para o feto. Mas não é só a mãe que influencia no estado da criança. O ambiente em que a gestante se insere é muito importante. Muito barulho, sons estridentes, deixam o feto estressado, enquanto lugares calmos, em que há harmonia fazem bem para o bebê. A seqüência de notas musicais funciona como um estímulo ao sistema nervoso embrionário e a exposição constante a determinados sons faz com que estes sons tornem-se familiares para a criança. Cantar para o bebê, falar com ele também são práticas que fazem bem à saúde, tanto da mãe quanto do bebê. Quanto mais natural for o parto, melhor. É bom que esteja claro que a separação do corpo da mãe é um grande trauma para o bebê que leva algum tempo para se adaptar à nova realidade. Está ainda muito frágil e indefeso. O contato de pele logo após o nascimento é muito importante, tanto para o bebê quanto para a mãe. Para a criança, o contato diminui o choque da separação e, para a mãe, é um estímulo à produção de um hormônio que diminui a hemorragia, além de ser uma recompensa natural depois do sofrimento do parto. É natural que o bebê seja inseguro quando está aprendendo a falar, a caminhar. Mas essa insegurança deve ser vencida com a ajuda dos pais, que devem sempre estar presentes ao lado do filho para que ele sinta que tem com quem contar. Quando o bebê nasce, sua visão ainda não está constituída, já que começa a se formar após o nascimento. Nos primeiros meses é importante estimular a visão do bebê, mostrando objetos coloridos em movimento, colocar o rosto na frente da criança… Nesta fase, o que mais interessa ao bebê são as pessoas, principalmente as que cuidam dele, e o contato humano é essencial para o desenvolvimento psico-emocional. Amor – eis o que a criança mais precisa. O sentimento de rejeição pode causar danos psicológicos sérios para a criança no futuro. Atenção constante não é mimo, pois a criança deve conhecer também seus limites. As relações entre o casal e dos pais com o bebê funcionam como modelo para o desenvolvimento emocional da criança. O mundo vai se desvendando aos poucos aos olhos desse novo ser que se desenvolve, e o lar é o microcosmo em que constrói suas primeiras impressões do mundo. Fonte: bebe2000

Deixe uma resposta