Manual da Gestante

Este é um texto introdutório de exemplo para visualização do novo Site Médico. Em breve, totalmente reformulado.

A gravidez provoca grandes mudanças na vida da mulher. Seu corpo muda, seus sentimentos também. Felicidade, ansiedade e temores se misturam às dúvidas mais comuns sobre a gravidez. A primeira providência a ser tomada é iniciar o quanto antes o pré-natal. Seu obstetra realizará um exame físico completo e irá solicitar uma série de exames laboratoriais, dependendo de cada caso. Geralmente, os exames iniciais constam de: – Hemograma completo, para determinar se há anemia; – Tipagem sanguínea e fator Rh; – Exame de urina, pois a mulher grávida está sujeita a infecções urinárias pela compressão do útero sobre a bexiga e pelas mudanças hormonais; – Sorologias, de acordo com cada caso, como VDRL, anti-HIV, sorologia para toxoplasmose, rubéola e citomegalovírus, entre outras; – Glicemia de jejum; – Ultra-sonografia no primeiro trimestre, para determinar com precisão a idade da gestação. CONSULTAS DE PRÉ-NATAL A gravidez é um período normal da vida da mulher, não devendo ser considerado como uma doença. Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados nessa fase da vida, para garantir uma gestação saudável para a mãe e para o bebê. O objetivo do pré-natal é detectar alterações relacionadas ou não à gravidez. Após a primeira consulta, realizada de preferência nos três primeiros meses da gravidez, as demais consultas são mensais até 36 semanas da gestação. A partir dessa época, as consultas podem ser a cada duas semanas ou mesmo semanais, de acordo com a necessidade de cada caso. A gravidez avança até 40 semanas, podendo chegar em alguns casos até 42, desde que haja um controle rigoroso semanal. É importante que a gestante cumpra as recomendações médicas e não se guie pelas crenças populares ou por conselhos de amigas ou parentes, pois a medicação que foi boa para uma paciente nem sempre pode ser usada para todas as pessoas. Essa é a função do seu obstetra; determinar o melhor acompanhamento pra você e seu bebê. ALIMENTAÇÃO A alimentação e o peso da mãe podem influenciar tanto a ela própria quanto ao bebê. O estado nutricional antes da gravidez é importante, uma vez que a freqüência de recém-nascidos com baixo peso é maior naquelas mães com baixo peso antes da gestação e com pouco aumento de peso durante a gravidez. Por outro lado, a obesidade predispõe a complicações durante a gravidez e o parto. Doenças como hipertensão e diabetes gestacional podem ser mais encontradas nessas pacientes. Ambos tipos de pacientes devem estabelecer junto ao seu médico o tipo de alimentação necessária, e não realizar regimes alimentares por conta própria. Não existe um valor pré-determinado de aumento de peso durante a gravidez. Geralmente considera-se para as gestantes com peso adequado ao engravidar que seu ganho ponderal seja entre 9 e 13Kg; para aquelas com baixo peso ao engravidar, os quilos que faltam para o peso normal mais o valor citado acima. Nas gestantes acima do peso, cada caso é avaliado em particular. A dieta ideal deve ser individualizada para cada gestante; entretanto, uma média de 2300 calorias/dia deve ser considerada como ideal. Os alimentos mais indicados para uma gestante são as proteínas, tanto de origem animal (carnes vermelhas, miúdos, ovos, peixes) quanto vegetal (feijão, grão de bico, lentilhas, ervilhas). Leite e derivados são importantes pelo seu alto conteúdo de cálcio, fósforo e vitamina D, além de sais minerais como zinco, ferro e magnésio. Frutas e verduras são essenciais pela grande quantidade de vitaminas, sais minerais e fibras. Podem ser consumidas tanto frescas quanto congeladas, entretanto o cozimento exagerado diminui o conteúdo de vitamina C. Os farináceos fornecem os carboidratos necessários, e a gordura é encontrada no leite, queijo, carnes e ovos. As gorduras puras encontram-se no óleo, manteiga, margarina e maionese. Seu consumo deve ser moderado. Recomenda-se preferir os alimentos frescos aos enlatados ou frituras. Evitar gorduras em excesso, alimentos defumados, salgados ou apimentados. Os alimentos com grande conteúdo de fibras, como as verduras e frutas, favorecem o funcionamento do intestino e melhoram a obstipação, tão comum na grávida, pelas mudanças hormonais e pela compressão que o útero causa sobre o intestino. O consumo de refrigerantes deve ser diminuído. EXERCÍCIOS Caminhadas, natação, hidroginástica, desde que realizados com moderação, são atividades que permitem que a gestante se exercite com segurança. Entretanto, devemos recordar que as gestantes não têm a mesma reserva energética das não grávidas, podendo estar sujeitas ao cansaço físico de forma mais precoce durante a atividade física. SONOLÊNCIA Nos três primeiros meses da gravidez a mulher tende a sentir-se cansada e com sonolência excessiva, devido às grandes mudanças hormonais. Assim, procure dormir pelo menos 8 horas por dia. Após o terceiro mês, a grávida começa a ter mais ânimo, até que o aumento de peso, as mudanças posturais e o aumento de volume abdominal provoquem novamente a sensação de cansaço. NÁUSEAS E VÔMITOS As náuseas e os vômitos são bastante freqüentes na gestação, especialmente nos primeiros meses. São devidos aos próprios hormônios da gravidez. Uma forma de evitá-los é comer alimentos leves em pequenas quantidades e várias vezes ao dia. Em alguns casos os enjôos são tão intensos que podem causar uma perda de peso e desidratação. Nesses casos, seu médico irá orientá-la quanto ao tratamento mais adequado. VARIZES E HEMORRÓIDAS Varizes e hemorróidas também podem ser observadas durante a gestação. Estas podem surgir durante a gravidez ou piorarem, se já existiam antes. Para prevenir o aparecimento de varizes recomenda-se evitar o aumento exagerado de peso, praticar exercícios e não permanecer muitas horas de pé. As hemorróidas surgem pois o útero aumentado de volume impede a circulação do sangue das pernas até o coração, provocando a dilatação desses vasos sanguíneos. A obstipação também contribui para o aparecimento das hemorróidas, devendo ser evitada. ESTRIAS As estrias são causadas por uma distensão exagerada da pele. Uma vez instaladas, são de difícil tratamento, pois são cicatrizes que se formam na pele. A gestante tem grande facilidade para o surgimento no abdômen, quadris e seios. A hidratação da pele e o controle do aumento de peso ajudam na prevenção do problema. FLUXO VAGINAL Observa-se um aumento no fluxo vaginal durante a gravidez, também devido ao aumento dos hormônios. O colo uterino produz uma secreção aumentada de muco, que é responsável pela sensação de umidade vaginal. Mudanças na coloração desse muco, ou alterações como coceira vaginal ou odor fétido devem ser comunicadas ao seu médico, para que este providencie o tratamento correto. COMUNIQUE SEU MÉDICO Durante a gravidez, uma série de mudanças vão ocorrer em você. Por esse motivo, e para tirar todas as suas dúvidas, não deixe de comparecer a todas suas consultas. Alem disso, comunique seu médico se ocorrer: – sangramento vaginal – dores abdominais – perda de líquido – diminuição dos movimentos fetais Fonte: www.feliccita.com.br/ManualGest.htm

Deixe uma resposta