Nozes combatem danos de gorduras nas artérias

 

Um dos mais tradicionais alimentos natalinos é, agora, um grande aliado contra doenças cardiovasculares. De acordo com um estudo feito na Espanha, comer nozes após a refeição pode ajudar a diminuir os malefícios causados às artérias por comidas gordurosas.

O estudo foi realizado pelo Hospital Clínico da Universidade de Barcelona, com financiamento parcial da Comissão da Noz da Califórnia, e publicado na revista da Universidade Americana de Cardiologia. Segundo os pesquisadores, recomendam uma dose diária de 28 gramas de nozes. Para o estudo, foram recrutados 24 adultos, metade com níveis normais de colesterol e a outra metade com níveis moderadamente altos. Cada paciente recebeu duas refeições contendo salame gorduroso e queijo, com uma semana de intervalo entre elas. Em uma das refeições, os pesquisadores adicionaram cinco colheres de chá de azeite de oliva. Na outra, foram adicionadas oito nozes.

Os testes mostraram que tanto o azeite quando as nozes ajudam a reduzir a repentina inflamação e oxidação das artérias que acontece após uma refeição rica em gorduras saturadas. Mas as nozes ajudam ainda a preservar a elasticidade e flexibilidade das artérias, independente dos níveis de colesterol. Segundo os pesquisadores, as dietas ricas em gordura atrapalham a produção de óxido nítrico, uma substância necessária para manter as artérias flexíveis. Com o tempo, isso pode causar o endurecimento das artérias e aumentar os riscos de doenças cardíacas e derrames. A noz é beneficial porque contém arginina, um aminoácido usado pelo corpo para produzir o óxido nítrico. O alimento contém ainda antioxidantes e ácido alfa-linolênico, uma substância à base de plantas com propriedades beneficiais à saúde.

O coordenador da pesquisa, Emilio Ros, está começando um novo estudo para saber se as nozes podem ajudar também quem sofre de arritmias cardíacas. Mas o pesquisador fez um alerta para que as pessoas não assumam que podem comer o que quiserem caso consumam também nozes. Em vez disso, elas deveriam considerar incluir as nozes como parte de uma dieta saudável que limita as gorduras saturadas -, disse. Segundo o professor Robert Vogel, da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, a pesquisa demonstra que as nozes têm gorduras protetoras que não estão presentes no azeite de oliva.

– Isso levanta uma questão muito interessante porque muitas pessoas que têm uma dieta mediterrânea acreditam que os benefícios vêm do azeite -, disse ele. – Mas essa pesquisa e outros dados indicam que isso não é verdade. Provavelmente há outros fatores (mais benéficos) na dieta, incluindo a grande presença de nozes -, concluiu. Segundo o professor, isso não quer dizer que o azeite faça mal à saúde, mas apenas que não é o fator central de proteção da dieta mediterrânea.

Fonte: Correio do Brasil, Por Redação, com agências internacionais – de Barcelona

Deixe uma resposta