Perguntas e respostas sobre vasectomia

O homem deve estar seguro de sua decisão

 

1 – O que é vasectomia? É a cirurgia que deixa o homem estéril (esterilização masculina). Em outras palavras, é a versão masculina da laqueadura. 2 -Como é feita a cirurgia? É uma cirurgia realizada ambulatorialmente, ou seja, no consultório médico, sob anestesia local. Através de uma pequena incisão na pele do escroto é identificado o canal deferente de cada lado, que é o canal por onde os espermatozóides vão caminhar desde o testículo até a chegada na uretra. Neste local é feito a ligadura ou corte destes canais e amarradas as pontas. Depois a pele é fechada com 1 ou 2 pontos de fio absorvível. O homem pode voltar dirigindo para casa. É solicitado repouso sexual por 7 dias e deve ser realizado um espermograma (exame do líquido seminal) depois de 60 dias para averiguar o sucesso da cirurgia. 3 -A vasectomia oferece algum risco ao paciente? É um procedimento cirúrgico e, como tal, oferece os mesmos riscos que, por exemplo, a extração de um dente. As complicações como, hematoma, inflamação do testículo e infeção são raras. Em geral, o pós-operatório é bastante tranquilo, alguns pacientes referem uma leve sensibilidade nos testículos durante alguns dias. 4 -A vasectomia é reversível? Este é um assunto que envolve muita confusão. A vasectomia é reversível sim, porém, a taxa de sucesso da cirurgia de reversão pode variar muito, dependendo do caso. Por exemplo: caso o homem tenha se submetido à vasectomia há mais de 5 anos, a chance de sucesso com a reversão é bem menor de que se ele tivesse sido vasectomizado há 2 anos. Outro ponto: a cirurgia de reversão é muito mais delicada e deve ser realizada em nível hospitalar, sob anestesia troncular, com a utilização de material de microcirurgia, incluindo microscópio. Sempre dou a sugestão de que se o homem planeja fazer uma vasectomia e não pára de pensar na reversão, então ele não está preparado para a cirurgia.

 

5 -Quem pode fazer a vasectomia? De acordo com a lei 9.263, publicado no Diário Oficial da União em agosto de 1997, sobre a regulamentação do planejamento familiar, indico a vasectomia para homens acima de 25 anos ou, pelo menos, com dois filhos vivos ou nos casos onde a gravidez da cônjuge poderá gerar risco de vida. Na prática diária costumo dizer aos homens que devem eleger a vasectomia como um procedimento definitivo, apesar de sabermos hoje que existe a possibilidade de reversão. O homem deve estar seguro de sua decisão e, principalmente, feliz com o relacionamento conjugal. 6 -Quantos homens já realizaram a vasectomia no Brasil? E no mundo? No Brasil é difícil precisar quantos foram os homens esterilizados por esta técnica. A maioria destes procedimentos não é coberto por planos de saúde e, por isso, é realizado em consultórios particulares sem a devida notificação do Ministério da Saúde. Com certeza a procura por este método vem crescendo na última década. No mundo, alguns países são famosos por realizarem esta cirurgia como principal método contraceptivo, como China e Índia.

7 -Esse número tem aumentado nos últimos anos? Qual é a faixa etária? O número de vasectomias tem aumentado nas duas últimas décadas por várias razões, entre as quais: consciência de um planejamento familiar condizente com a escala social, praticidade da cirurgia, baixo índice de complicações, custo da cirurgia que é menos oneroso de que uma laqueadura da mulher, quebra dos tabus sobre impotência e câncer de próstata. A faixa etária que mais me procura para esta cirurgia é o homem entre 35 e 45 anos. No entanto, homens com 25 e 60 anos já foram submetidos a esta esterilização em minha clínica. 8 -Após a vasectomia, o homem pode se relacionar sexualmente normalmente? Sem dúvida. Este, por sinal, é um dos grandes tabus que impede a realização de um número ainda maior de vasectomias em nosso meio. O corte do canal deferente apenas impede a chegada dos espermatozóides na uretra, fazendo com que ele fique retido dentro do testículo. O líquido seminal, que por sua vez é produzido na próstata e vesícula seminal, continua sendo eliminado durante a ejaculação, normalmente. O volume do ejaculado continua o mesmo, apenas não está presente o espermatozóide, que afinal de contas, é o principal objetivo desta cirurgia. Este morre e é reabsorvido pelo próprio organismo. Com relação a função erétil ou potência sexual também não há nenhuma influência. Os nervos e vasos responsáveis pela ereção peniana não estão envolvidos durante a cirurgia de vasectomia. Não existe nenhuma relação anatômica entre as estruturas supra-citadas e o canal deferente. Depois de realizada a vasectomia é solicitado ao paciente permanecer utilizando um método anticoncepcional como antes, até completar 60 dias. Alguns espermatozóides podem estar vivos dentro do canal deferente. Por isso é solicitado o espermograma. 9 – Qual a possibilidade do paciente apresentar problemas após a cirurgia? De que tipo? A incidência de complicações pós-operatórias é muito baixa. Algumas são: dor, sangramento, hematomas e infecção. São complicações inerentes a qualquer cirurgia cutânea. Não existem complicações da esfera sexual.

10 – Segundo uma publicação científica realizada há 6 anos atrás, a vasectomia aumenta a chance de câncer de próstata. É verídica? Um pesquisador publicou em 1993 na conceituada revista científica americana JAMA (Journal of the American Medical Association) que a vasectomia aumentava a chance de desenvolver câncer de próstata. Este trabalho, apesar de Ter sido publicado, foi considerado por muitos, como tendo uma metodologia errada. Em outras palavras, “viciou” os resultados do estudo contra a vasectomia, o que na prática não ocorre. 11 -O que diz o estudo publicado recentemente no “Journal of Urology”? Ele é contrário a afirmação citada acima? Qual é a sua opinião e no que ela se baseia? Um grupo de médicos de hospitais de Boston, EUA, estudou, aproximadamente 2616 homens abaixo de 70 anos de idade. 1216 estavam sendo tratados de câncer de próstata. Os outros 1400 homens não eram portadores de câncer de próstata. Perguntou-se, aos dois grupos, quais homens haviam sido submetidos a cirurgia de vasectomia no passado. O resultado do estudo é de que 16% de homens no grupo com câncer e 15% dos não cancerosos foram vasectomizados, respectivamente. Diferença esta não estatisticamente significante. Conclui-se, então, que a vasectomia não aumenta a chance de desenvolver câncer de próstata. Na minha opinião, não devemos nos preocupar, pois não existe nenhuma razão biológica para correlacionar vasectomia com câncer de próstata. Além do mais, ainda não está bem esclarecida a causa e os fatores de risco para que um homem desenvolva esta neoplasia. 12 -O que a classe médica tem feito para solucionar essa dúvida entre os pacientes? Como já faz mais de 5 anos que foi divulgado pela mídia a relação entre câncer de próstata e vasectomia, a maioria dos pacientes aborda o problema dentro do consultório e é esclarecido no mesmo momento. Não tenho nenhum conhecimento de campanha médica de esclarecimento perante a opinião pública no nosso país. Todavia, este artigo publicado no “Journal” é, sem dúvida, esclarecedor e formador de opinião no mundo todo. 13 -Com a divulgação da relação entre a vasectomia e câncer de próstata, o número de cirurgias tem diminuído no Brasil? E no mundo? Com certeza, quando da divulgação desta notícia, há 5 anos, houve um grande impacto no número de cirurgias realizadas em consultórios. Até há pouco tempo ainda sentia este decréscimo. Acredito que este novo artigo tenha uma importância semelhante, só que positiva, defendendo o procedimento de esterilização masculina. Fonte: www.urologia-sp.com.br

 

Deixe uma resposta