Qual a causa e a prevenção da hipertensão arterial?

Hipertensão Arterial A hipertensão arterial (pressão alta) é uma doença

 

 

Hipertensão Arterial A hipertensão arterial (pressão alta) é uma doença crônica que afeta cerca de 20% da população adulta. A metade dos hipertensos desconhece a própria enfermidade. Pode evoluir sem sintomas por mais de 20 anos e, quando não tratada, causa lesões em diversos órgãos e sistemas, produzindo graves complicações. Contribui para o aumento da aterosclerose, podendo determinar sérias complicações, invalidez e também a morte. A incidência de hipertensão arterial ocorre com mais freqüência entre os 30 e os 55 anos de idade, podendo-se então avaliar os prejuízos para o ser humano e para a sociedade. A hipertensão arterial, bem como suas complicações, pode ser controlada, bastando que se conheça melhor essa doença. O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? O coração funciona como uma bomba, impulsionando o sangue, cuja função é levar oxigênio e nutrientes para todo o corpo, através das artérias, que são tubos musculares. Chamamos de pressão arterial, aquela que o sangue exerce contra as paredes das artérias. Quando o coração se contrai a pressão verificada é a “Máxima” ou a “Sistólica”; à medida que o sangue escoa das artérias para os capilares, o coração se dilata, a pressão vai diminuindo e o valor medido antes da próxima contração é a “Mínima” ou “Diastólica”. Atualmente considera-se Hipertensão Arterial níveis pressóricos iguais ou acima de 140 mmHg (máxima) ou de 90 mmHg (mínima), devidamente avaliados por médico, em dias diferentes. QUAL A CAUSA? E COMO PREVENIR? 95% dos casos são chamados de essenciais, por não terem causa definida e estarem assossiados a múltiplos fatores de risco: • Histórico familiar: ter parentes próximos hipertensos significa maior risco. • Idade: a hipertensão é mais comum após os 35 anos. • Raça: é mais freqüente nas pessoas da raça negra; • Sensibilidade ao sódio: para quem é sensível, o consumo de sal e outros alimentos que contém sódio é um fator de risco importante; • Estresse emocional: a ansiedade e as preocupações decorrentes das mudanças e desafios do dia-a-dia elevam o nível de adrenalina no sangue; • Sedentarismo/obesidade;

 

• Drogas: fumo, álcool, alguns medicamentos como os descongestionantes nasais à base de vasoconstritores, os antiinflamatórios, pílulas anticoncepcionais, entre outros, elevam a pressão sanguínea. Os três primeiros fatores mencionados não são passíveis de mudança, mas os demais dependem da adoção de estilo de vida saudável: • evite excessos alimentares, principalmente sal de cozinha, álcool, açúcares e gorduras; • não abuse de alimentos com alto teor de colesterol: manteiga, banha, bacon, gema de ovo, gordura de coco, rins, miolos, peles de aves, frutos do mar, chocolate, cacau, frituras em geral e demais gorduras de origem animal; • controle o estresse e o peso corporal; • não fume; • pratique exercícios adequados regularmente, sob supervisão médica; • não tome medicamentos sem orientação médica. QUAIS SÃO OS SINTOMAS E CONSEQUÊNCIAS? Habitualmente iniciada entre os 30 e os 55 anos, a hipertensão é assintomática. Algumas pessoas mais sensíveis podem apresentar alguns sintomas tais como dor de cabeça matinal localizada um pouco acima da nuca, tonteiras, sangramento nasal, opressão no peito e cansaço. Se não for tratada, a hipertensão tende a se agravar e ocasionar lesões nas artérias de todo o organismo, sobretudo no cérebro, nos olhos, no coração e nos rins. Além disso, a hipertensão contribui para o agravamento da aterosclerose, provocando doenças graves como os acidentes vasculares cerebrais (derrame cerebral); infarto do coração, angina do peito, arritmia, insuficiência cardíaca, doenças vasculares periféricas, doença da retina, insuficiência renal. É importante saber que todas as complicações da hipertensão arterial podem ser prevenidas. TRATAMENTO A hipertensão arterial essencial ainda não tem cura, devendo ser acompanhada pelo resto da vida. Mas com os recursos terapêuticos disponíveis a pressão em pouco tempo se normaliza. Consultas médicas periódicas são necessárias para avaliação da terapêutica e revisão cuidadosa de todo o organismo. O tratamento da hipertensão alivia o sofrimento e previne as complicações. É fundamental a participação do paciente e sua adesão às recomendações médicas, para alcançar a melhoria da qualidade de vida desejada. Os medicamentos anti-hipertensivos são eficazes, desde que usados corretamente. A escolha deles é específica para cada pessoa e somente o médico está habilitado para indicar o mais conveniente. Os horários e as doses corretas são itens importantes para o sucesso do tratamento. Não se deve parar de tomar os medicamentos pelo fato de sentir-se bem e julgá-los desnecessários. Use pouco sal no preparo dos alimentos e nunca adicione aos já preparados, evitando molhos, temperos e alimentos industrializados, conservas, defumados, bacalhau, carne-seca, salgadinhos, etc. • Emagrecer se estiver com excesso de peso ou obesidade; • Limitar o consumo de bebidas alcoólicas a 30ml/dia; • Praticar exercícios aeróbios e recreativos; • Evitar medicamentos que elevam a pressão; • Utilizar técnicas de relaxamento; • Controlar os fatores de risco. PAP – PROGRAMA DE APOIO AO PACIENTE A Medicina Preventiva da Intermédica Saúde desenvolve um programa especial de apoio aos pacientes hipertensos visando favorecer um melhor controle da doença e conseqüente melhoria da qualidade de vida. O PAP contém benefícios tais como: disponibilidade da equipe preventiva multiprofissional, telefonemas periódicos, grupos e reuniões para melhor conhecer a doença, planejamento alimentar, avaliações especiais com médicos e enfermeiras. Para maiores informações fale com uma de nossas Orientadoras. Nossos telefones de contato são: São Paulo-(0XX11) 3660.1020 Santos-(0XX13) 3229.1593 Sorocaba-(0XX15) 3212.9360 Jundiaí -(0XX11) 4522.7064 Rio de Janeiro-(0XX21) 3984.2955 Fonte: www.qualivida.intermedica.com.br

Deixe uma resposta