Reduzindo o risco da doença coronariana

Este é um texto introdutório de exemplo para visualização do novo Site Médico. Em breve, totalmente reformulado.

Quanto maior a concentração de FATOS SOBRE AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES As doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de mortalidade, de aposentadoria por invalidez e de licença temporária do trabalho. Entre as doenças cardiovasculares, e de maior incidência é a doença arterial coronariana, que se traduz pela insuficiência de irrigação sanguínea ao coração através das artérias coronárias. Esta insuficiência de irrigação está diretamente relacionada ao grau de obstrução ao fluxo sanguíneo pelas placas ateroscleróticas, Estas placas são constituídas pela deposição constante de gorduras e colestoral. As consequências dessa obstrução (doença coronariana) podem variar desde sintomas como dor no peito (angina de peito), passando pelo infarto do miocárdio (obstrução total da artéria coronária) até o quadro de morte súbita. COLESTEROL E ATEROSCLEROSE Vários estudos em diversos países têm demonstrado a íntima relação entre colesterol e aterosclerose (obstrução das artérias pela formação de placas ateroscleróticas) com conseqüente relação com a doença coronariana. Tem-se mostrado que nas populações que apresentam dietas com excessiva quantidade de gorduras, existe um maior número de mortes por doença coronariana. O elo de ligação entre dietas ricas em gorduras e ataque cardíaco é o colesterol. O QUE É O COLESTEROL O colesterol é uma substância similar às gorduras, produzido principalmente pelofígado e que circula pelo sangue. Este é o colesterol endógeno. Existe ainda o coleterol proveniente da alimentação, chamado coleterol exógeno. O colesterol é um elemente importante para o organismo, pois é utilizado na formação de células, na fabricação de hormônios e em outras funções. Quanto maior a concentração de colesterol no sangue, maior a deposição de colesterol na parede de artérias, com a conseqüente formação das placas gordurosas (ateroscleróticas), levando ao endurecimento destas e à obstrução progressiva do fluxo sanguíneo. Daí, instala-se a doença coronariana com as manifestações acima mencionadas. Pode-se dizer que para cada 1% de redução dos níveis de colesterol sanguíneo, existe uma redução de 2% no risco de ataque cardíaco em homens com hipercolesterolemia. Você pode sentir-se bem, sem nenhuma alteração, mesmo tendo nível de colesterol sanguíneo elevado. Às vezes, o ataqua cardíaco é a primeira manifestação da doença para muitos pacientes. CONHEÇA SEU NÍVEL DE COLESTEROL O conhecimento dos níveis de colesterol sanguíneo circulante é de extrema importância para a prevenção da doença coronariana e do ataque cardíaco. É necessária a medição do colesterol periodicamente em todos os indivíduos adultos acima de 20 anos, particulamente nos do sexo masculino. Esses níveis devem estar abaixo de 200mg/dl (nível desejado), onde o risco de doença coronariana pe relativamente baixo. Se estes níveis se situarem entre 200 e 239 mg/dl, você se encontrará em um nível intermediário, onde outros fatores que contribuem para a doença coronariana também serão, associadamente, importantes (fumo, hipertensão arterial, diabetes mellitus, obesidade, sedentarismo), aumentando o seu risco de ataque cardíaco, quando medidas preventivas terão de ser tomadas, variando desde orientação alimentar até o tratamento medicamentoso. O COLESTEROL ELEVADO TEM CONTROLE? Reduções dos níveis sanguíneos de colesterol são perfeitamentes possíveis na maioria dos indivíduos, objetivando-se, sempre, a redução do risco de doença coronariana e ataque cardíaco. O tratamento do colesterol sangüineo elevado se faz através de dietas alimentares com baixas concentrações de gorduras saturadas e colesterol e, em não se conseguindo os níveis desejáveis de redução, utilização concomitante de medicamentos redutores de colesterol.

Deixe uma resposta