Reiki reequilibra energia do corpo e combate o estresse

 

Uma técnica de cura com as mãos que ficou “esquecida” por seis mil anos ganha cada vez mais uma legião de seguidores pelo mundo. O reiki, originário das montanhas do Tibete, na China, foi redescoberto no início do século passado pelo educador e padre cristão japonês Mikao Ushui e trazido ao Ocidente na década de 30 por uma de suas discípulas, a havaiana de origem japonesa Hawayo Takata. No Brasil, a técnica foi introduzida em meados dos anos 80. O reiki, palavra japonesa que significa energia vital universal, é uma aplicação de energia-luz que harmoniza a saúde física, emocional, mental e espiritual. Restaura, equilibra e aperfeiçoa o campo energético do corpo, sem a interferência da energia do terapeuta, que apenas canaliza a existente no universo para pontos desequilibrados do receptor. “Com toques sutis das mãos, o reiki cria um estado de harmonia e bem-estar na pessoa”, afirma Maria Izabel Colamarino, mestre em reiki pelos sistemas Usui (tradicional), Tibetano, Karuna e Tera Mai. No aprendizado, o aluno, primeiro, é preparado para canalizar para si a energia cósmica. A partir daí, o “reikiano” pode começar a usar as técnicas assimiladas para benefício próprio e também para o próximo. “No início você tem de ser o seu próprio mestre para depois, se quiser, compartilhar com outras pessoas essa energia”, completa Colamarino. A terapia alivia dores físicas, combate o estresse, a ansiedade, o medo, equilibra o sono, não tem contra-indicações e complementa outros tratamentos médicos. “As pessoas que utilizam a medicina tradicional ou a acupuntura, por exemplo, alcançam bons resultados com o reiki”, completa Colamarino. Alguns grupos religiosos rejeitam o reiki e acreditam que se assemelha a uma religião. “O reiki é apenas uma terapia natural, não tem nada de religioso nem filosófico”, explica Colamarino. A terapeuta salienta que a barreira existe apenas em um primeiro momento. “Depois que explicamos o que é, as pessoas o entendem e praticam, inclusive católicos, evangélicos e espíritas”, completa. Princípios do reiki criados por Mikao Usui a partir de seus estudos de escritos antigos em sânscrito: 1.Hoje eu abandono a raiva 2.Hoje eu abandono as minhas preocupações 3.Hoje eu conto com todas as minhas bênçãos 4.Hoje eu faço o meu trabalho honestamente 5.Hoje eu sou gentil com todas as criaturas vivas Para quem acredita que apenas algumas pessoas possuem o “dom”, Colamarino desmistifica: “Todas as pessoas podem aprender desde que a técnica da sintonização (canalização da energia) seja ensinada por um bom mestre de reiki”, explica. “Os chacras são os principais receptores de energia, mas no nosso atribulado dia-a-dia nem sempre estão sintonizados para recebê-la naturalmente”, completa. Quando nos sentimos desenraizados e estressados, muitas vezes buscamos energias mais puras no campo ou na praia. Em contato com a natureza, podemos nos recuperar energeticamente, por isso, na maioria das vezes, nos sentimos mais harmonizados. Além da energização pelo toque, o reiki pode ser enviado à distância. Mas para alcançar esse estágio, o aluno precisa ter feito o primeiro nível da iniciação. Colamarino, porém, alerta: “o envio da energia à distância deve ser feito com o consentimento da pessoa que irá recebê-la”. Segundo a terapeuta, é possível enviar energia a um grupo de pessoas, por exemplo, mas poderá ocorrer que algumas delas estejam “fechadas” a recebê-la. Mas em casos de catástrofe, por exemplo, Colamarino acredita que a sintonização é válida porque pode ajudar pessoas que estão abertas a receber a energização e aliviar o sofrimento daquele momento.

Fonte: www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio JORGE BLAT repórter da Folha Online

Deixe uma resposta