Saiba como ter uma alimentação saudável

Uma alimentação saudável é baseada em dois princípios: qualidade e quantidade dos alimentos a serem ingeridos. O que e quanto cada indivíduo deve ou não comer depende de muitos fatores.

Uma alimentação saudável é baseada em dois princípios: qualidade e quantidade dos alimentos a serem ingeridos. O que e quanto cada indivíduo deve ou não comer depende de muitos fatores. “O prato precisa ser harmônico, gostoso visualmente para ser bem aproveito”, é a primeira dica da nutricionista Anna Carolina Cro. Ela acrescenta: “O alimento precisa está adequado ao sexo, idade, condições sócio-econômicas, ao gosto do paladar da pessoa, ao tipo de atividade física que ela desenvolve ou não, caso seja sedentária, além das doenças por ventura existentes”.

A base da alimentação, ensina a nutricionista, é formada por:

  • carboidratos (massas, arroz, batata, legumes, frutas etc);
  • proteínas (carnes vermelha e branca, queijo, leite, ovos, leguminosas);
  • gorduras (de origem vegetal, que é sem colesterol, e, às vezes, doces e pouquíssima gordura de origem animal.

“O álcool deve ser ingerido moderadamente, visto que não há nenhum estudo que comprove que ele faz bem ao coração. Isso vale para o vinho tinto”, afirma.

As vitaminas e sais minerais são muito importantes para o funcionamento normal de todo o organismo. São encontradas em todos os alimentos, principalmente frutas e verduras. O excesso de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) pode causar doenças. Já o excesso das vitaminas hidrossolúveis (Complexo B, Vitamina C) pode sobrecarregar o organismo, prejudicando os rins, alerta Anna Carolina. Ao contrário do que muitos ouviram falar, não qualquer problema se você tomar um copo de líquido, seja água ou suco, durante a refeição. “Exagerar é que pode provocar problemas. Agora nunca tome refrigerante, nem mesmo diet, com qualquer refeição.

Eles retiram os sais minerais, que seriam absorvidos pelo organismo”, garante a nutricionista. Cada grupo de alimentos tem seus benefícios, mas se consumido em excesso pode provocar sérias conseqüências. O excesso de carboidratos pode causar obesidade, diabetes, elevar o colesterol e o triglicerides (gordura no sangue), hiperglicemia, compulsão alimentar e grande sonolência. “Por sua vez, ficar sem carboidratos pode representar danos à saúde, tais como a baixa atividade intelectual e física, já que a glicose é a fonte de energia dos carboidratos, principal alimento do cérebro e de todas as outras células”, adverte Anna Carolina. Outros problemas são diminuição das performance atlética, hipoglicemia, compulsão alimentar, fraqueza, insônia, nervosismo etc. O hábito de não comer carne, adotado principalmente pelos vegetarianos, pode ser uma faca de dois gumes, como diz o velho ditado popular.

“Sempre que o fizer, lembre-se de comer outros alimentos ricos em proteínas”, aconselha. Mas proteína além do que o organismo necessita é capaz de aumentar o colesterol e triglicérides, contribuindo para causar hipertensão e doenças cardíacas, gota, indisposição, hiperglicemia, dentre outras complicações.

De acordo com Anna Carolina, na quantidade certa, (veja box com a pirâmide dos alimentos) os alimentos proteicos estimulam o metabolismo do corpo, acelerando a perda de peso. Por sua vez, se faltar proteínas em seu cardápio, você está correndo risco de enfrentar osteoporose, deficiências de ferro, cálcio, zinco e magnésio, anemia, desnutrição proteico-calórica em grau mais avançado e câimbra.

Para completar, a gordura, que traz malefícios tanto em demasia quanto em escassez. Quando há excesso os problemas vão desde aumento de peso, elevação do colesterol às doenças cardiovasculares. Por incrível que pareça, revela a nutricionista, as gorduras levam as vitaminas A, D, E e K para as células. Caso isso não aconteça, estamos suscetíveis a doenças como cegueira noturna, osteoporose, problemas de pele, unhas, cabelos e de coagulação sanguínea.

Deixe uma resposta