Saiba mais sobre diabetes e viva melhor!

Hoje, seja na Internet ou não, são amplas as informações educacionais que podemos

 

 

Hoje, seja na Internet ou não, são amplas as informações educacionais que podemos obter sobre o diabetes – até mesmo na grande mídia. O diabetes Tipo 1 aparece como resultado de uma destruição das células beta produtoras de insulina por engano, pois o organismo acha que são corpos estranhos. Isso é chamado de resposta auto-imune. Este tipo de reação também ocorre em outras doenças, como esclerose múltipla, Lupus e doenças da tireóide. Nem sempre foi assim. Podemos dizer que o esclarecimento atual é fruto do esforço de profissionais que, ao longo da história, dedicaram-se a descobrir e observar as misteriosas complicações orgânicas. Sinais e Sintomas Pessoas com níveis altos ou mal controlados de glicose no sangue podem apresentar: • Muita sede; • Vontade de urinar diversas vezes; • Perda de peso (mesmo sentindo mais fome e comendo mais do que o habitual); • Fome exagerada; • Visão embaçada; • Infecções repetidas na pele ou mucosas; • Machucados que demoram a cicatrizar; • Fadiga (cansaço inexplicável); • Dores nas pernas por causa da má circulação.

 

Em alguns casos não há sintomas. Isto ocorre com maior freqüência no diabetes tipo 2. Neste caso, a pessoa pode passar muitos meses, às vezes anos, para descobrir a doença. Os sintomas muitas vezes são vagos, como formigamento nas mãos e pés. Portanto, é importante pesquisar diabetes em todas as pessoas com mais de 40 anos de idade. Diabetes Tipo 2 Sabe-se que o diabetes do tipo 2 possui um fator hereditário maior que no tipo 1. Além disso, há uma grande relação com a obesidade e o sedentarismo. Estima-se que 60% a 90% dos portadores da doença sejam obesos. A incidência é maior após os 40 anos. Uma de suas peculiaridades é a contínua produção de insulina pelo pâncreas. O problema está na incapacidade de absorção das células musculares e adiposas. Por muitas razões suas células não conseguem metabolizar a glicose suficiente da corrente sangüínea. Esta é uma anomalia chamada de “resistência insulínica”. O diabetes tipo 2 é cerca de 8 a 10 vezes mais comum que o tipo 1 e pode responder ao tratamento com dieta e exercício físico. Outras vezes vai necessitar de medicamentos orais e, por fim, a combinação destes com a insulina. Principais Sintomas: • Infecções freqüentes; • Alteração visual (visão embaçada); • Dificuldade na cicatrização de feridas; • Formigamento nos pés; • Furunculose. ConClusão Para se obter um controle satisfatório da glicemia os portadores de diabetes devem ser avaliados pela equipe multidisciplinar a cada três ou quatro meses. As consultas servem para orientar as bases do tratamento do diabetes: educação, dieta, automonitorização e para solicitar exames de rotina,acompanhamento e orientaçoes quanto ginasticas elaborais e atividades físicas. Dr.Adão http://fisiovultiva.zip.net

Deixe uma resposta