Saiba mais sobre gota (excesso de ácido úrico no sangue)

É uma doença que ataca principalmente as articulações

 

 

É uma doença que ataca principalmente as articulações e, se não tratada a tempo, pode debilitar órgãos como rins e fígado. E para nos falar sobre esse assunto, convidamos o doutor Pedro Weingrill, que é reumatologista e trabalha em Joinville na Clínica Reumatológica. – O QUE É GOTA? Dr. PEDRO: Gota é uma doença provocada pelo excesso de ácido úrico no sangue. Nós temos uma quantidade normal de ácido úrico, porém, algumas pessoas têm uma quantidade em excesso e essas pessoas podem desenvolver uma doença que causa crise aguda muito intensa de dor geralmente numa das articulações e que, a mais comum acometida, é no dedão do pé que chamamos de podagra. É uma dor bastante intensa, desconfortável e com sinais inflamatórios onde o dedo fica inchado, quente e vermelho e aparece rapidamente e geralmente à noite. O indivíduo vai dormir bem e acorda com aquela dor intensa no pé. – ALÉM DA DOR, O QUE MAIS AS PESSOAS SENTEM QUANDO ESTÃO SOFRENDO DE GOTA? Dr. PEDRO: Geralmente o sintoma principal é a dor mesmo. Essa dor bastante aguda, afetando uma das articulações que pode ser qualquer articulação do corpo. Pode ser no cotovelo, na mão ou no joelho, apesar, de como eu já disse, o mais comum é afetar o pé e numa articulação que é o dedo grande do pé. Se a doença não for tratada a tempo, pode debilitar órgãos como rins e fígado? Que tempo demora para que a pessoa seja atingida nesses órgãos? Dr. PEDRO: A gota é uma doença crônica, ou seja, ela inicia e aparece em crises. O indivíduo tem uma crise, melhora, depois ele tem outra crise e melhora novamente. Se ele não fizer um tratamento adequado, o seu nível de ácido úrico no sangue permanece elevado. A grande quantidade de ácido úrico que existe no sangue precisa ser eliminada de alguma forma no organismo e a via normal, ou o caminho pelo qual esse acido úrico é eliminado, é através do rim.

 

E se nós colocarmos o rim sobre uma sobrecarga de ácido úrico (durante um tempo de anos) muito grande, pode haver uma lesão renal ou um comprometimento bastante acentuado do estado de saúde desse indivíduo. – QUE FATORES PROVOCAM O SURGIMENTO DA GOTA? Dr. PEDRO: A gota é uma doença que atinge principalmente os homens. Ela é menos comum na mulher e a gente costuma dizer que a mulher tem gota somente após a menopausa. Noventa por cento dos pacientes com gota são homens. E outros fatores podem andar junto com a gota, por exemplo: obesidade. Os indivíduos que têm peso excessivo têm mais chance de ter gota. Hipertensão, ou seja, aquelas pessoas que têm aumento da pressão arterial são um fator que predispõe ao desenvolvimento da gota e das crises gotosas. E algumas outras situações como doenças renais, o aumento de gordura no sangue, as dislepidemias (colesterol elevado e outros tipos de gordura como triglicérios) e isso podem predispor esses indivíduos a terem maior quantidade de ácido úrico no sangue, e tendo ácido úrico em quantidade elevada, ele pode desenvolver a gota. – COMO É O TRATAMENTO PARA QUEM TEM GOTA? Dr. PEDRO: Temos que dividir o tratamento da gota em duas fases: quando o indivíduo tem a crise, ou seja, quando ele apresenta aquele quadro agudo de dor intensa com sinais inflamatórios, nós temos que tratar esse processo inflamatório. É um processo extremamente doloroso e costumamos dizer que a pessoa não consegue nem colocar o lençol acima do pé à noite, porque isso provoca uma dor extrema. Nessa fase nós utilizamos medicamentos que retiram a inflamação e diminuem a dor. Quando bem tratada, a gota ou essa crise de gota, deve levar em torno de 24 a 48 horas. Após isso, a dor praticamente desaparece ou cede bastante. Fica ainda algum processo inflamatório, mas a dor intensa cede bastante. – DEPOS DE TRATADA, A GOTA PODE VOLTAR A APARECER? Dr. PEDRO: Aí vem a segunda fase do tratamento, que é o que chamamos de período entre as crises. Como o motivo maior da gota é esse excesso de ácido úrico que tem no sangue, o que você tem que fazer é dar medicações e orientar o indivíduo para que faça certas coisas que ele possa diminuir a quantidade de ácido úrico no sangue. Se ele mantiver o ácido úrico no sangue em níveis normais, dificilmente vai ter uma nova crise de gota. Se mantiver o ácido úrico elevado, vai ter grandes chances de ter uma nova crise de gota. Por isso repito: na fase de inflamação o tratamento é um. Na fase em que ele não tem mais a inflamação e não tem mais a dor, o tratamento é com outro tipo de medicamento para baixar o nível de ácido úrico no sangue. – E a forma de baixar o ácido úrico no sangue seria apenas com medicamento, ou tem alguma outra forma da pessoa baixar esse ácido úrico? Dr. PEDRO: O medicamento é essencial porque dificilmente, se a pessoa não tomar o medicamento, vai conseguir baixar esse ácido úrico. No entanto, a alimentação é também um fator importante. Existem certos alimentos que aumentam a quantidade de ácido úrico no sangue. Então nós temos que orientar esses pacientes de que eles precisam reduzir ou evitar a ingestão desses alimentos. Por exemplo, o que pode aumentar o ácido úrico no sangue é a ingestão de frutos do mar como o camarão e o marisco, dentre outros. É importante a ingestão de frutos do mar porque existe uma grande quantidade de uma substância que nós chamamos de purina, que acaba se transformando em ácido úrico no sangue. Outro tipo de alimentação que também é importante é os grãos, como ervilha, lentilha e o próprio feijão. Mas como a alimentação do brasileiro geralmente requer feijão e a grande maioria das pessoas come feijão, nós não vamos tirar totalmente, mas vamos solicitar e orientar esses pacientes para que reduzam a quantidade. Eles devem tomar muito cuidado com a ingestão de bebidas alcoólicas, pois elas aumentam o ácido úrico no sangue, principalmente, a cerveja. Os tomadores de cerveja que têm gota devem tomar cuidados! E existem alguns outros alimentos como tomate, extrato de tomate, sucos ou frutas muito ácidas como o abacaxi, que devem ser diminuídos na ingestão. A carne também contém substâncias que aumentam o ácido úrico, porém a pessoa não é obrigada a parar de comer carne, mas deve ingeri-la com moderação. É importante também ingerir bastante líquido, de preferência a água que previne que o ácido úrico suba no sangue. É POSSÍVEL PREVENIR O APARECIMENTO DA GOTA? Dr. PEDRO: Com certeza! A gota tem um componente familiar. À vezes, quando um pai tem, o filho também desenvolve e sempre mais, como eu falei, para a área masculina. A partir do momento que você descobre que o indivíduo tem a primeira crise de gota, você dá toda essa orientação alimentar e a medicação necessária. Desde que o indivíduo faça o tratamento adequado, ele vai viver bem e ter uma boa qualidade de vida. O grande problema é que como a gota dá em crises, o indivíduo se trata na crise e depois quando ele está na fase que chamamos de intercrise, que ele não tem mais o processo inflamatório e a dor, ele deixa o tratamento e de repente, apresenta uma nova crise. Então é importante ele estar sempre em tratamento, dosando o seu ácido úrico no sangue para que esse ácido esteja em níveis normais e, com isso, previna novas crises e gere uma qualidade de vida muito boa, porque uma vez tendo gota, ele pode ter crises durante toda a sua vida. Realmente a prevenção é importante e é possível. – EXISTE ALGUMA RESTRIÇÃO QUANTO AOS HÁBITOS DIÁRIOS DA DA PESSOA QUE TEM GOTA? Dr. PEDRO: Não. Na fase em que ele tem o quadro doloroso, não pode fazer quase nada porque se der no pé, ele vai ter uma dificuldade grande até em andar. Mas essa é a fase, como eu falei, que em alguns dias nós solucionamos. Tirando essa fase, ele não tem mais restrição nenhuma e pode trabalhar normalmente. Inclusive é até importante que faça exercícios físicos porque nós sabemos que o exercício é bom para diminuir o peso, manter a forma física. E a obesidade ou o aumento de peso é um fator que piora o quadro de gota, sendo assim, se ele reduzir o peso praticando alguma atividade física, estará fazendo um tratamento preventivo. Realmente ele pode levar uma vida totalmente normal, sem qualquer restrição, seja no trabalho, seja quanto às atividades físicas. Dr. Pedro Weingrill, que é reumatologista e trabalha em Joinville na Clínica Reumatológica.

Deixe uma resposta