Sexualidade na gravidez

Novas posições, novos toques, novas sensações podem ser descobertas e apreciadas pelo casal

 

A gravidez representa um momento de grandes mudanças não só para a mulher, mas para o homem também. Éum período de adaptações físicas, emocionais e também sexuais. O crescimento abdominal, a sensibilidade mamária, náuseas, vômitos e outros sintomas são alterações orgânicas que as mulheres sofrem durante a gestação e que podem influenciar na vida sexual do casal por gerarem desconforto. Os homens não tem alterações orgânicas mas, como as mulheres, podem ser afetados por questões emocionais como ansiedade em relação ao parto, a criação do filho, a responsabilidade de ser pai, o medo de machucar o bebê durante a relação. Nesta hora o diálogo é a melhor forma de lidar com esta questão. O casal deve acompanhar junto todos os momentos, sendo um apoio e a segurança do outro, garantindo a aproximação e a continuação da sexualidade. Novas posições, novos toques, novas sensações podem ser descobertas e apreciadas pelo casal em busca de intimidade. Na verdade, nada impede que a vida sexual continue como era anteriormente a esta fase. O que o casal precisa é se adaptar a este novo momento de suas vidas. Isto não quer dizer que a vida sexual do casal sempre piore na gravidez. Pode também melhorar quando a gravidez é desejável e o casal está preparado, gerando aproximação e entendimento entre eles, afinal este é um momento muito especial. Se a gravidez não foi classificada pelo seu médico como uma gravidez de risco, como acontece para a grande maioria das pessoas, é perfeitamente seguro continuar tendo relações sexuais durante toda a gravidez. Fisicamente, o aumento de fluxo sanguíneo na pélvis, útero, vagina e clitóris pode aumentar consideravelmente o prazer da mulher causando orgasmos intensos. Psicologicamente, nem todos os casais se sentem à vontade e livres para continuar tendo relações depois de um certo período, geralmente, após o começo do terceiro trimestre, quando a barriga já está maior e os movimentos do bebê são facilmente sentidos (chutes). Muitos casais sentem-se intimidados com o bebê ou têm medo e acham que podem machucar o bebê. Nos últimos meses de gravidez pode ficar um pouco difícil de movimentar. Em caso de dúvida é importante conversar com o médico. PERDA DE INTERESSE Por mais que se diga que manter relações sexuais durante a gravidez é absolutamente seguro, ainda muitas mulheres mantêm em mente que vão causar algum mal a seu bebê. Mas, elas não estão sozinhas nesse ponto. Muitos são os homens que não querem mais ter relação. Os motivos para ambos podem ser os mesmos. Durante a gravidez, o casal pode passar por várias fases. O interesse em sexo pode aumentar ou diminuir. Não há regras, todas as pessoas são diferentes e reagem de forma diferente diante de uma situação nova. Um afastamento no último mês ou a dois meses do final da gravidez é absolutamente normal. O grande volume do abdômem e a extrema sensibilidade da pelve da vagina podem fazer que o marido fique com medo de machucar a mulher e o bebê. Fonte: maternofetal

Deixe uma resposta