Suplementação com prebióticos e probióticos

Devido ao crescente aumento na incidência de doenças ocasionadas e/ou estimuladas por uma má alimentação, tais como

 

Devido ao crescente aumento na incidência de doenças ocasionadas e/ou estimuladas por uma má alimentação, tais como hipertensão arterial, hipercolesterolemia, obesidade, dentre outras, o interesse em se pesquisar alimentos com características funcionais vem aumentando proporcionalmente. A propriedade funcional de um alimento refere-se ao papel metabólico ou fisiológico que o nutriente ou substância bioativa possui no crescimento, desenvolvimento, manutenção e outras funções normais do organismo humano. Existem diversos alimentos com propriedades funcionais já descobertos, sendo que neste artigo iremos discutir sobre os elementos prebióticos e probióticos.

 

Os microorganismos são necessários para a vida humana normal, sendo que a composição da microbiota intestinal é essencial para a saúde e bem-estar do homem. Existem bons microorganismos (probióticos) e maus microorganismos (patógenos), sendo que o ideal para nossa saúde é atingir um equilíbrio correto entre eles. Uma microbiota intestinal desequilibrada (disbiose intestinal) apresenta destruição de vitaminas, inativação de enzimas, produção de toxinas cancerígenas, destruição da mucosa intestinal – levando a uma menor síntese e absorção de nutrientes.

Este desequilíbrio pode ser causado dentre outros fatores por estresse, má digestão, dieta desequilibrada, uso abusivo de medicamentos e infecções intestinais. Agora, imaginem um praticante de musculação ou culturista com uma disbiose no intestino? Por melhor que seja sua dieta e suplementação alimentar, os nutrientes não poderão ser devidamente absorvidos e/ou sintetizados. Para adequar a microbiota intestinal, garantindo uma ótima absorção dos nutrientes, o uso de elementos probióticos e prebióticos vem sendo utilizado na prática clínica com excepcionais resultados e recentemente foram incluídos na nutrição esportiva. Temos observado real melhora na performance de culturistas que se assessoram conosco após a adesão desta suplementação. Inclusive, algumas empresas de suplementos alimentares vêm sabiamente incluindo elementos probióticos e probióticos em seus produtos visando otimizar a absorção de nutrientes. O termo Probiótico refere-se a uma preparação ou produto contendo microorganismos definidos, viáveis e em número suficiente, que alternando a microbiota em um compartimento do hospedeiro exercem efeitos benéficos sobre sua saúde. Como exemplos, podemos citar os Lactobacillus Acidophillus, Lactobacillus Rhamnosus, Bifidobacterium Bifidum, etc. Eles favorecem a presença de bactérias benéficas ao organismo e diminuem a concentração de bactérias e microorganismos indesejáveis.

Os Probióticos possuem atividade anticarcinogênica e antimutagênica, agem na alergia alimentar e na intolerância à lactose, auxiliam na redução do colesterol plasmático e da pressão arterial, melhoram o funcionamento intestinal, fortalecem o sistema imunológico, auxiliam na metabolização de medicamentos, hormônios, carcinogênicos e metais tóxicos e ainda melhoram a síntese e a biodisponibilidade de nutrientes. Recomendação: Yakult 40 milhões: 1 UI/dia Yakult comum: 2 UI/dia Podemos também manipular a seguinte fórmula por cápsula, devendo-se administrar em torno de 2 cápsulas ao dia, ingerindo sempre com líquidos frios e não ácidos: Lactobacillus acidophilus – 1,250 bilhão Lactobacillus rhamnosus – 1,250 bilhão Bifidobacterium bifidum – 1,250 bilhão Enterococcus faecicum – 1,250 bilhão Já os Prebióticos são ingredientes alimentares não digeríveis que beneficiam a saúde do hospedeiro por estimular seletivamente o crescimento ou atividade de um número limitado de bactérias no intestino grosso.

Como exemplo, podemos citar a inulina (alho, cebola, chicória), os frutooligossacarídeos (banana, mel, cevada), os galactooligossacarídeos, a lactulose, a rafinose e a estaquiose. Como pontos positivos da administração de prebióticos, verificam-se: melhora da microbiota intestinal (contribui para que somente seja absorvido pelo intestino as substâncias necessárias), redução dos lipídios sangüíneos e da pressão arterial, maior síntese e absorção de nutrientes e ação anti-carcinogênica. Os prebióticos ainda estimulam o crescimento das bifidobactérias, auxiliando na supressão da atividade de outras bactérias que são putrefativas, que podem formar substâncias tóxicas. Também é possível se manipular prebióticos, sendo que uma dosagem diária entre 5 e 10 gramas de inulina e de frutooligossacarídeos tem apresentado bons resultados. Logicamente, as dosagens aqui explanadas são apenas parâmetros. Para uma suplementação alimentar apropriada para suas necessidades individuais, deve-se procurar os serviços de um profissional habilitado. Rodolfo Anthero de Noronha Peres CRN3 16389

Deixe uma resposta