Vai se casar? Não esqueça dos exames pré-nupciais

Hoje, falar em exames pré-nupciais pode soar estranho para muitos, pois o casamento não é mais programado como

 

 

Hoje, falar em exames pré-nupciais pode soar estranho para muitos, pois o casamento não é mais programado como antes. Atualmente, quando os casais optam pelo casamento, grande parte já tem uma vida sexual ativa e já mora junto. Mesmo assim, o “check-up nupcial” deve ser item obrigatório na lista de providências pré-matrimoniais. “Os exames pré-nupciais são preventivos e têm como objetivo verificar as condições de saúde e de fertilidade do casal. São essenciais para os que desejam ter filhos.

 

É o marco zero do planejamento familiar”, afirma o especialista em Reprodução Humana, Joji Ueno, da Clínica Gera, em São Paulo. Considerando que, no mundo inteiro, 20% dos casais têm problemas de fertilidade, é possível dimensionar a importância dos exames pré-nupciais. Até alguns anos atrás, estes exames se resumiam a uma visita ao ginecologista/urologista e à realização de testes laboratoriais simples – sangue, urina e espermograma. Hoje, com o desenvolvimento tecnológico, os exames se sofisticaram, possibilitando a detecção e o tratamento precoce de doenças. “O mais recomendável é marcar uma consulta num período de seis a três meses antes do casamento, com um ginecologista e um urologista de inteira confiança dos noivos”, aconselha Joji Ueno. Antes da realização dos exames propriamente, é feita uma anamnese, uma avaliação do passado médico do casal. “A finalidade básica dos exames pré-nupciais é avaliar o histórico do casal quanto a doenças anteriores e suas possíveis seqüelas que não somente dificultem a gravidez, como também possam indicar a possibilidade de fetos mal-formados”, explica o médico. Ainda durante a consulta são avaliados os medicamentos e as vacinas que o casal já tomou, bem como o mapeamento de vícios que sejam prejudiciais à saúde. Além disso, é preciso verificar anomalias genéticas nas famílias, episódios de aborto ou gravidez anterior. Outro fator importante a ser considerado é a faixa etária do casal, pois quanto mais avançada for a idade dos pais, maiores são as chances do bebê vir a apresentar alguma anomalia.

Relação de exames pré-nupciais: 1) Há exames que ajudam a determinar o grau de fertilidade do casal e possíveis alterações cromossômicas relevantes: – Espermograma: determina as condições de fertilidade do homem e permite o tratamento de infecções assintomáticas que diminuem o número de espermatozóides. Com orientação e tratamento, muitos desses problemas são reversíveis; – Cariótipo: exame que avalia a existência ou não de alterações cromossômicas, podendo causar problemas reprodutivos como infertilidade, abortamentos de repetição e fetos malformados. Caso se diagnostiquem alterações cromossômicas é possível determinar riscos específicos. 2) Outros exames preventivos visam garantir a saúde do bebê da mulher que deseja engravidar: – Sorologia para rubéola: determina a imunidade para a rubéola e a necessidade da vacinação, que protegerá o feto. Em caso de vacinação deve-se evitar a gravidez por pelo menos três meses; – Toxoplasmose: identifica infecções provocadas pelo protozoário toxoplasma gondii, permitindo o tratamento para evitar a transmissão vertical, isto é, da gestante para o feto.

A transmissão para o feto no primeiro trimestre da gravidez pode provocar óbito fetal, abortamento ou deixar seqüelas, como a cegueira. 3) E por fim, realizam-se os exames que garantem a saúde do casal, detectando infecções, doenças e anemias, tanto no homem quanto na mulher: – VDRL: detecta a sífilis, possibilitando o tratamento; – Hemograma completo: avalia anemias e alterações de glóbulos brancos e plaquetas; – Clamídia – (chlamydia trachomatis): identifica a doença sexualmente transmissível e de grande prevalência que pode provocar infecções oculares, urogenitais e infertilidade; – Sorologia para a hepatite: detecta a infecção pelos vírus B e C, permitindo encaminhamento ao especialista no caso de infecção e indicando vacina do tipo B nos casos de sorologia negativa; – HIV: exame que detecta a infecção pelo vírus HIV, de importância fundamental para o início de um tratamento adequado e aconselhamento para casos de gestação; – Urina: detecta eventuais infecções assintomáticas e doenças renais; – Exame parasitológico de fezes: permite diagnóstico e tratamento de parasitoses assintomáticas que podem trazer conseqüências indesejáveis no futuro. A realização dos exames pré-nupciais também é uma recomendação da Organização Mundial de Saúde, OMS, que em 2005, durante a realização de sua 58ª Assembléia Mundial, instigou os governos de todo o mundo a incentivar a realização destes exames como uma das formas de prevenir deficiências. “Mesmo depois do casamento, é aconselhável continuar de olho na saúde do casal, principalmente se acontecer uma gravidez, pois à exceção da tipagem sangüínea, todos os outros exames devem ser refeitos durante o pré-natal, principalmente os de toxoplasmose, hepatites, HIV e citomegalovírus”, afirma Joji Ueno. Fonte: Excelência Comunicação

Deixe uma resposta