Vulvovaginite: mulheres devem estar alertas

Os fatores que favorecem o aparecimento de fungos

 

Vulvovaginite é toda reação inflamatória da vulva, vagina e colo uterino, bastante comum entre as mulheres. Um estudo mostrou que ela foi diagnosticada em mais de 25% das pacientes que consultaram as clínicas de doenças sexualmente transmissíveis. Além disso, estima-se que 75% de todas as mulheres apresentem no mínimo um episódio de candidíase vulvovaginal em sua vida, infecção causada pela Cândida albicans, um tipo de fungo. Os fatores que favorecem o aparecimento de fungos incluem o uso de antibióticos, presença de altos níveis de estrogênio (como ocorre na gestação e durante o uso de contraceptivos orais, que aumentam a taxa de hormônio feminino), uso de roupas justas, diminuição do sistema imunológico, falta de higiene, corpo estranho na vagina, infecção do trato urinário, agentes químicos (como sabonetes, medicamentos, desodorantes íntimos etc.) e calcinhas de material sintético. O principal sintoma é o corrimento vaginal, podendo apresentar também ardor ao urinar e sensação de desconforto na área pélvica.

 

TRATAMENTO A candidíase vulvovaginal normalmente é tratada com agentes antifúngicos tópicos, ou seja, pomadas de uso local. Porém, há uma grande variedade de tratamentos, e todos parecem ser efetivos. Estudiosos concluíram que não há diferença entre a aplicação local intra-vaginal e a administração de agentes antifúngicos orais no tratamento, concluindo também que o tratamento por via oral ainda é a preferido entre as mulheres. A decisão para a prescrição do agente antifúngico em relação à administração do mesmo, deve levar em consideração a segurança, o custo do medicamento e a preferência individual da mulher. Fonte: Portal Unimeds

Deixe uma resposta