Ação sobre as doenças respiratórias e do sistema nervoso

Acalma a ansiedade È indicada nas rinites alérgicas. Estudos mostram que é mais eficaz que os

 

AÇÃO SOBRE AS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Mesmo na asma córtico dependente, a acupuntura age sobre o bronco-espasmo através da estimulação do sistema nervoso central – efeito broncodilatador. . através do aumento de cortisol no sangue – diminuição da secreção e da inflamação do brônquios além do efeito brondilatador. . através do aumento da endorfina que aumenta a quantidade de substância CAMPc, muitas vezes diminuida nos pacientes com bronquite, e que tem efeito broncodilatador. Acalma a ansiedade È indicada nas rinites alérgicas. Estudos mostram que é mais eficaz que os anti-histamínicos. Os broncoespasmos produzidos pela metacolina são diminuidos pela acupuntura. AÇÃO SOBRE O SISTEMA NERVOSO A acupuntura produz relaxamento mental através da estimulação do sistema límbico. O aumento do cortisol associado à estimulação do sistema límbico pode tratar distúrbios psíquicos, tais como ansiedade, depressão, síndrome de pânico etc. As síndromes depressivas se beneficiam com a acupuntura que, nos estudos controlados mostrou-se tão eficaz quanto a amitriptilina. A acupuntura funciona melhor nos pacientes onde se observa uma diminuição dos metabólitos de nor-epinefrina, enquanto a amitriptilina é mais eficaz naqueles que não respondem ao teste da dexametesona. A própria endorfina pode agir nesses casos. Ela acalma a mente, atenuando a sensação de sensibilidade, angústia, irritabilidade emocional, etc. Com isso, diminuem-se os distúrbios somáticos causados pelos distúrbios psíquicos. Nas neurose experimentais do cão, mostrou-se benéfico o efeito da acupuntura sobre os reflexos condicionados. O efeito da Acupuntura sobre a vascularização cerebral ou em fenômenos dolorosos (cefaléia, nevralgia do trigêmio) já foram verificados. Na s índrome de Méniére estudos mostram que a acupuntura é significativamente mais eficaz que as drogas convencionais (beteastina. Vitamina PP e vitamina B6). Fonte: Brasil Medicina

Deixe uma resposta