Bom humor pode evitar problemas cardíacos

Os pesquisadores interrogaram 292 pacientes que se submeteram a uma angioplastia para medir

 

As pessoas que mantêm o bom humor e uma atitude positiva são menos propensas a sofrer recaídas de problemas cardíacos. É o que revela um estudo publicado hoje pela revista Psychosomatic Medicine, baseada na observação de quase 300 pacientes que foram submetidos à angioplastia, operação na qual se introduz um mecanismo semelhante a um globo para desobstruir uma artéria bloqueada. Os pacientes com complexo de inferioridade, menos otimismo e sensação de impotência para controlar suas vidas mostraram maior disposição a sofrer um novo bloqueio dos vasos sanguíneos seis meses depois da operação, em comparação com aqueles que têm uma atitude mais positiva. “Nosso estudo indica que os médicos podem identificar aquelas pessoas mais propensas a ter problemas subseqüentes e talvez, com isso, vigiar melhor seu comportamento”, segundo Vicki Helgeson, professora de psicologia da Universidade Carnegie Mellon e diretora da pesquisa. Os pesquisadores interrogaram 292 pacientes que se submeteram a uma angioplastia para medir seus níveis de auto-estima, otimismo e controle. Os pacientes foram separados em três grupos, tendo como base os resultados. Nos seis meses seguintes, 20% dos pacientes sofriam novamente de bloqueio arterial. De acordo com o estudo, no grupo mais bem-humorado, menos de 10% apresentaram problemas cardíacos reincidentes, enquanto entre os mais desanimados o índice foi de 29%. Vicki Helgeson disse ainda que outras variáveis foram observadas, como a idade, o nível de educação, a profissão e a raça, mas nenhuma delas mostrou uma correlação tão alta como a do estado de ânimo. Entretanto, o estudo contém falhas: os pesquisadores somente puderam obter informação sobre pacientes que informaram ter tido bloqueio arterial. Alguns pacientes, porém, poderiam ter passado pelo problema sem saber ou sem dizer ao médico. Martha Hill, professora da Escola de Enfermaria da Universidade John Hopkins e ex-presidente da Associação de Estudos Cardíacos, disse que o estudo demonstra a necessidade de levar em consideração fatores psicológicos e sociais na hora de tratar problemas de saúde. MARCELO KALIF Trav. Apinages,81 – Batista Campos Belém – Pará – 66.025-080 E-mail: kalif@uol.com.br “É de suma importância que o perdão se habite entre os homens para que o amor se estabeleça em seus corações” Fonte: www.webmedicos.com.br

Deixe uma resposta