Saiba mais sobre bronquite

Existem dois tipos de bronquite: a aguda e a crônica

 

O que é? A bronquite é a inflamação das vias respiratórias, ou seja, da árvore brônquica que é composta pelos brônquios. A doença se dá quando há acúmulo de secreção nos brônquios (muco, catarro), impedindo a passagem do ar até os pulmões, decorrente, em muitos casos, de uma infecção concomitante do trato respiratório. Existem dois tipos de bronquite: a aguda e a crônica; o que difere uma da outra é a duração das crises. A aguda pode ser causada por vírus (como o da gripe), infecções bacterianas ou inalação de gases irritantes, poeira e poluição. As crises são curtas, duram de uma a duas semanas e não há maiores riscos. Já a bronquite crônica é uma condição agravante do episódio agudo e pode ser desencadeada, principalmente, pela fumaça do cigarro. Suas crises são constantes, especialmente pela manhã. Por ser uma doença que persiste por um longo período, há o risco de maiores complicações respiratórias, como pneumonia e obstrução dos brônquios. Os casos de bronquite ocorrem mais freqüentemente no inverno e nos casos de pessoas que vivem em ambientes em más condições de higiene ou aglomerações.

 

Sintomas Os sintomas, tanto na bronquite aguda quanto na crônica, são os mesmos, diferenciando-se apenas na intensidade e duração: – tosse seca ou com catarro; – chiado e peito cheio; – falta de ar; – febre (devido a infecções respiratórias, associadas à bronquite crônica); – mal-estar; – falta de apetite; – dores no peito, cabeça e garganta; – fadiga; – pele do rosto e mãos azuladas (cianose); – nos casos mais graves, o paciente pode ter inchaço nas pernas e pés, pois a bronquite pode causar alterações no funcionamento do coração, devido a dificuldade de respiração. Tratamento A principal forma de prevenir a doença é preservar a resistência do organismo às infecções; para isso, é fundamental manter uma alimentação adequada. Quando indicado, o tratamento da bronquite é prescrito pelo médico conforme a causa e estágio da doença. O repouso e a umidificação do ar são indispensáveis. Para auxiliar na recuperação, geralmente são utilizados analgésicos, antiinflamatórios, antitérmicos, xaropes expectorantes e, em casos mais graves ou de infecção confirmada, antibióticos. Em casos crônicos, existem terapias e exercícios de reabilitação que podem ajudar quem sofre deste mal. Essas atividades permitem ao paciente um melhor gerenciamento de sua energia, a fim de utilizar uma quantidade menor de oxigênio na respiração. Recomendações – É imprescindível parar de fumar e ficar longe da fumaça do cigarro, o maior responsável pelas crises de bronquite; – Beber muita água é fundamental, pois ela ajuda na expectoração (eliminação) e na diminuição das secreções brônquicas; – Em caso de exposição a elementos irritantes, é recomendável o uso de máscaras ou algum tipo de proteção; – Evitar contato com pessoas resfriadas, gripadas ou com outras doenças transmissíveis por via respiratória; – A tosse produtiva (conhecida como tosse com catarro) não deve ser impedida, pois ela ajuda a eliminar as secreções; – Devem ser evitados lugares onde o ar esteja muito seco; – A vacina anual contra a gripe também é uma boa opção para prevenção dessa doença, pois gripes e resfriados são agravantes da doença. Converse com seu médico. http://zambon.com.br

Deixe uma resposta