Sintomas comuns da bulimia

Bulimia nervosa Pessoas com bulimia nervosa ingerem grandes

 

 

Bulimia nervosa Pessoas com bulimia nervosa ingerem grandes quantidades de alimentos e depois eliminam o excesso de calorias através de jejuns prolongados, vômitos auto-induzidos, laxantes, diuréticos ou na prática exagerada e obsessiva de exercícios físicos. Devido ao “comer compulsivo seguido de eliminação” em segredo, e ao fato de manterem seu peso normal ou com pouca variação deste, essas pessoas conseguem muitas vezes esconder seu problema das outras pessoas por anos. Assim como a anorexia, a bulimia caracteristicamente se inicia na adolescência.

 

A doença ocorre mais freqüentemente em mulheres, mas também atinge os homens. Indivíduos com bulimia nervosa, mesmo aqueles com peso normal, podem prejudicar gravemente seu organismo com o hábito freqüente de comerem compulsivamente e se “desintoxicarem” em seguida. Sintomas comuns da bulimia Interrupção da menstruação. Interesse exagerado por alimentos e desenvolvimento de estranhos rituais alimentares. Comer em segredo. Obsessão por exercício físico. Depressão. Ingestão compulsiva e exagerada de alimentos. Vômitos ou uso de drogas para indução de vômito, evacuação ou diurese. Alimentação excessiva sem nítido ganho de peso. Longos períodos de tempo no banheiro para induzir o vômito. Abuso de drogas e álcool. Personalidade: pessoas que desenvolvem bulimia quase sempre consomem enormes quantidades de alimentos, geralmente sem valor nutritivo, para diminuir o estresse e aliviar a ansiedade. Entretanto, com a extravagância alimentar, surgem a culpa e depressão. Pessoas com profissões ou atividades que valorizam a magreza, como modelos, bailarinos e atletas, são mais suscetíveis ao problema. Tratamento Quanto mais cedo for diagnosticado o problema, melhor. Quanto mais tempo persistir o comportamento alimentar anormal, mais difícil será superar o distúrbio e seus efeitos no organismo. O apoio e incentivo da família e dos amigos podem desempenhar importante papel no êxito do tratamento. O ideal de tratamento é que a equipe envolva uma variedade de especialistas: um clínico, um nutricionista, um psiquiatra e um terapeuta individual, de grupo ou familiar. Fonte: www.afh.bio.br

Deixe uma resposta